Prevaleceu o Brasil


Muitos empreendedores internos e externos esperavam pelo resultado da votação da Câmara Federal sobre a denúncia, para decidir o caminho que deverão trilhar


  Por Roberto Mateus Ordine 03 de Agosto de 2017 às 13:29

  | Advogado e vice-presidente da ACSP e Facesp


Sem entrar na análise política do governo atual, o resultado da votação da Câmara a favor do arquivamento da denúncia contra o presidente Temer foi melhor para o quadro econômico do Brasil e importante para o setor produtivo.

Isso porque, fosse o resultado contrário, certamente no dia seguinte a bolsa de valores fecharia em baixa e o dólar teria sua cotação elevada, desestimulando, mais uma vez, o investimento privado.

Dessa forma o Brasil foi preservado, independentemente da continuidade da investigação contra a denúncia, que certamente deverá prosseguir no momento certo.

A economia do Brasil, no entanto, foi preservada para o bem das milhões de famílias que estão passando necessidade, em virtude do desemprego e da falta de investimento comercial.

Quer queiram ou não, os que pensam em contrário, os índices econômicos atuais mostram sinais positivos, com uma inflação abaixo da meta e os juros em queda, o que é positivo para o ânimo do setor produtivo.

Esse quadro permitirá que os investimentos da iniciativa privada continuem a ocorrer naturalmente sem susto ou interrupção brusca, já que o mercado sempre reage de forma negativa, diante de crise política.

Muitos empreendedores internos e externos esperavam pelo resultado da votação da Câmara Federal sobre a denúncia, para decidir o caminho que deverão trilhar.

Portanto, quanto menos ruído político houver, melhor será para a geração de renda e trabalho.

O Brasil é abençoado por Deus e pela natureza, como diz a canção e por isso nossa economia terá condições de reagir favoravelmente, por meio da iniciativa privada, já que é impossível contar com o investimento público neste momento.

 E sem investimento em nossa economia não haverá oferta de trabalho e nem condições de suprir a necessidade de geração de empregos necessários para atender a população desempregada.

Sem oferta de empregos, a qualidade de vida das famílias brasileira continuará ruim, uma vez que os milhões de desempregados no país, não conseguirão trabalho.

Para completar, a necessidade de investimentos neste momento só falta a aprovação das  reformas necessárias para afastar o fantasma da recessão, que ainda compromete o desenvolvimento econômico do país.

Por tudo isso, esperamos que o Congresso consiga cumprir sua missão histórica de modernização de nossa economia; promovendo a reforma do sistema previdenciário, acabando como os privilégios de alguns em detrimento da maioria dos trabalhadores.

Aguarda-se também a reforma tributária, simplificando o complicado sistema atual, com dezenas de tributos e milhares de obrigações acessórias, que só consomem tempo e dinheiro.

Por último, também se espera a reforma política para diminuir o tamanho do estado e de sua influência no setor de produção, trazendo mais investimento interno e externo e assim colocar o Brasil em seu  lugar de direito no ranking da economia mundial.

A propósito, circula pelas redes sociais, um comentário técnico sobre o formato de governo e o tamanho ideal do Estado, evitando a corrupção pública e incentivando o esforço individual e a fraternidade de todos.

Talvez essa seja uma boa sugestão para o Brasil que queremos.

?As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio