São Paulo, 24 de Maio de 2017

/ Opinião

Posição Facesp/ACSP - Reforma tributária: é preciso participar do debate
Imprimir

A premissa fundamental desse posicionamento é a de que não deve haver qualquer aumento da carga tributária

O presidente Michel Temer anunciou que pretende avançar na reforma tributária ainda este ano, com vistas a simplificar a vida das empresas e dos cidadãos. O tema da reforma é debatido pelas associações comerciais há décadas.

Sempre foi considerado prioritário e urgente, sem que se tenha avançado sobre uma proposta de consenso ao longo dos anos, que permitisse, mesmo que gradativamente, realizar as mudanças indispensáveis na parafernália de tributos.  

É complexo chegar a uma proposta de consenso porque há interesses contraditórios entre os interessados em possível modificação do sistema tributário: União, estados e municípios disputam o “bolo tributário”.

A dificuldade se torna ainda maior porque a carga tributária já atingiu um limite acima daquele que se justificaria para o nível de renda da população.

Em 1993, quando o tema foi debatido durante a revisão constitucional, a tributação representava 25% do PIB, enquanto agora atinge mais de 34%, o que inviabiliza o atendimento às aspirações dos entes federativos por meio de aumento de impostos.

Acresce que a situação financeira dos governos federal, estaduais e municipais representa dificuldade adicional para a redistribuição e a descentralização de receita necessárias para assegurar a autonomia dos municípios.

Em nova tentativa de reforma tributária em 2003, a comissão que examinou a proposta apontou que “é evidente que o momento atual, de crise econômica recessiva, não é compatível com a discussão de uma reformulação tributária global e profunda.

As premências financeiras de todos os entes federados, e também dos contribuintes em geral, são más conselheiras.

São armadilhas que conduzem a um equacionamento ruinoso, de uma reforma fiscal, e de uma repactuação federativa, inteiramente inoportunas, que redundariam em indesejável aumento da carga tributária”.

Parece claro que essa advertência é ainda mais válida atualmente, o que recomenda especial atenção das entidades empresariais, para que a reforma não se preocupe apenas com o interesse dos governos, ignorando as posições dos contribuintes em relação ao tema.

Os principais pontos defendidos por empresários e cidadãos em relação à reforma são: simplificação; menor número de tributos; alíquotas moderadas; ampliação da base de contribuintes. Isso tem sido ignorado.

A premissa fundamental desse posicionamento é a de que não deve haver qualquer aumento da carga tributária.

Pode-se aceitar que a reforma seja parcial, desde que inserida em um projeto global que mantenha o nível da tributação - embora excessivo - durante um período, para que o Estado possa ajustar-se pelo lado dos gastos.

É necessário também um período de transição entre o sistema atual e o novo, mas que aponte para uma simplificação expressiva que reduza os custos dos contribuintes e do próprio fisco, que vem se destacando pelo excesso de controles que exige dos contribuintes, sem qualquer preocupação com os ônus e as dificuldades que isso acarreta às empresas.

O mundo hoje é uma grande empresa. Precisamos lembrar que se baratearmos o custo dos produtos por meio da simplificação tributária o Brasil voltará a exportar, incentivando a indústria. Temos dificuldades na exportação por causa da tributação.

A reforma do ICMS se afigura como a mais urgente, pois grande parte da burocracia e da complexidade do sistema tributário decorre desse imposto.

Das várias alternativas debatidas, a que melhor permitiria alcançar a simplificação e a desburocratização é a proposta da federalização da legislação, unificando com os impostos sobre valor adicionado da união, deixando aos estados autonomia com relação às alíquotas,

Enquanto isso, dever-se-ia avançar na simplificação da legislação existente com a aprovação do PLS 406/16, elaborado a partir de proposta apresentada pela ACSP, pela FACESP e por outras entidades, que já se encontra em tramitação no Congresso.

É necessário também reduzir as multas previstas na legislação tributária, que aumentaram devido à hiperinflação, mas foram mantidas até hoje, praticamente inviabilizando a recuperação de empresas autuadas pelo fisco.

Além de seus percentuais confiscatórios, ainda são agravadas pelos juros extremamente elevados.

As associações comerciais precisam acompanhar permanentemente o debate sobre a reforma tributária na busca de um consenso que contemple não apenas os interesses do fisco, mas que propicie uma implementação gradual e não deturpada por remendos ou expedientes que visem a aumentar a receita ou a burocracia.      

 



Está tudo tão confuso, tão degenerado, tão nojento que dá vontade de seguir a música que o cantor Silvio Brito interpreta tão bem: “para o mundo que eu quero descer...”

comentários

A sociedade não tem um projeto para o dia seguinte. Parece que tudo se limita a Lava-Jato, às prisões e delações

comentários

Uma minoria desclassificada de oportunistas de plantão, com auxílio de políticos corruptos, está afastando essa oportunidade, pouco importando milhões de famílias que não conseguem arrumar trabalho para se sustentarem com dignidade

comentários