São Paulo, 21 de Janeiro de 2017

/ Opinião

Posição Facesp/ACSP: Mais uma etapa
Imprimir

Aos empresários e às suas entidades cabe manter as esperanças e a confiança, mas atuar junto ao governo e ao Congresso para cobrar as medidas necessárias

Embora ainda falte uma etapa para a conclusão do processo de impeachment de Dilma Rousseff, foi um avanço importante a decisão do Senado - por ampla maioria - de dar continuidade ao julgamento que, ao que tudo indica, deverá estar finalizado até o fim de agosto, quando, então Michel Temer deixará de ser interino e presidirá efetivamente o Brasil até o final de 2018.

É evidente que a substituição da presidente não muda a natureza e a gravidade dos problemas que o País enfrenta, mas deve facilitar as tarefas do governo de adotar medidas e de propor ao Congresso mudanças legislativas para o equacionamento do ajuste fiscal e a modernização da economia.

Perdeu-se tempo desde o início do processo, já que o período de interinidade dificultou a adoção de medidas e a aprovação de outras. Esse tempo não pode ser recuperado, mas isso tornou mais urgentes o equacionamento e a adoção de soluções para reverter o dramático quadro econômico e social. 

Apesar de faltar pouco para o desfecho do impeachment, o governo precisa aproveitar o curto período para negociar a aprovação de projetos já encaminhadas ao Legislativo e as novas propostas que ainda faltam ser enviadas, a fim de implementar as mudanças mínimas necessárias para que a confiança despertada no presidente Temer e em sua equipe econômica não comece a se deteriorar.

É curto o tempo para se apresentar resultados concretos na direção do ajuste fiscal, da viabilização de investimentos privados e da recuperação das atividades econômicas, porque a gravidade dos problemas das empresas e, principalmente, dos trabalhadores, exige que, pelo menos, se estanque a recessão e se estabilize o nível de emprego.

O drama dos trabalhadores que perderam seus empregos, e enfrentam dificuldades para manter suas famílias, deveria ter acelerado a solução da crise política que paralisa a economia. Isso infelizmente não ocorreu, mas, pelo menos, agora se vislumbra o início de uma nova fase na vida do País, que, se espera, transforme a esperança em realidade.

Se pelo Executivo muito ainda deve ser feito, cabe ao Congresso papel relevante nas mudanças necessárias. O tempo para aprovação é curto, pelo que se exige não apenas urgência na apreciação das propostas, como elevada dose de patriotismo para aprovações sem emendas que as desfigurem ou reduzam a eficácia.

O que está em jogo não são a disputa eleitoral e os interesses partidários ou pessoais, mas o destino do País. Dizia Roberto Campos que “o Brasil é a terra das oportunidades perdidas”, mas não se pode aceitar que isso ocorra novamente, porque a gravidade da situação não comporta atrasos, remendos ou escapismos que posterguem ou inviabilizem a solução dos graves problemas.

A não solução dos problemas representará a continuidade da recessão – com seu mais perverso resultado, que é o desemprego – e o seu aprofundamento, com deterioração da já grave crise social. Isso traria profundas consequências políticas, possibilitando inclusive o retorno do grupo que conduziu o País à dramática situação.

Aos empresários e às suas entidades cabe manter as esperanças e a confiança, mas atuar junto ao governo e ao Congresso para cobrar as medidas necessárias. Mais do que se preocupar, é preciso se ocupar, fazendo ouvir sua voz, sugerir medidas, defender propostas e pressionar por resultados, ao invés de promessas.

Contudo, é preciso pensar além da crise e se engajar no debate e na solução dos problemas sociais. Educação, saúde e segurança não podem ficar apenas a cargo do governo ou do Congresso. A sociedade precisa participar. Os empresários, como lideranças naturais da comunidade, além de sua contribuição fundamental que é produzir, gerar empregos e propiciar recursos aos governos, precisam contribuir - a partir de sua experiência - no sentido de atacar os problemas sociais com racionalidade e eficiência, diferentemente de grupos ideológicos que se aproveitam da bandeira da questão social.



Apesar dos efeitos positivos dos juros menores, estes deverão demorar alguns meses em se materializar

comentários

Nos primeiros quinze dias do ano as vendas recuaram 6,6% na comparação com a primeira quinzena de janeiro de 2016. A queda ficou dentro da normalidade, segundo a ACSP

comentários

Mesmo com pressões esperadas no início de 2017, IPCA deve convergir para o centro da meta de 4,5% em meados desse ano, abrindo espaço para mais quedas da Selic

comentários