São Paulo, 26 de Junho de 2017

/ Opinião

Momento de ação
Imprimir

A história registra exemplos do quanto pode custar a um país a insensibilidade de suas elites. Está na hora de acordar

O ano passado foi marcado pelo processo de impeachment da presidente Dilma, em inacreditável demora, paralisando o país e agravando a crise.

O presidente Temer assumiu, mas ficou em compasso de espera até a definição final do processo, aprovando apenas o novo teto para o orçamento. Na economia, muito pouco foi feito. E os bons resultados do repatriamento teriam sido maiores se a proposta tivesse sido mexida.

Criada pelo governo anterior, hostil ao capitalismo, não poderia obter o sucesso que se esperava.

Agora, chegando 2017, novos rumos precisam ser traçados. E não são poucos diante da imensa dificuldade de todas as contas do país.As propostas recentes  são boas mas não suficientes.

O jogo das pressões políticas e corporativas, o viés ideológico dos atores e a ausência de pragmatismo no trato da economia podem fazer deste ano uma tragédia maior do que o anterior. Inclusive com a criminosa desestabilização do governo.

Nesse jogo de empurra, só falta agora se falar em reformas para “depois do carnaval”, como é tradição no Brasil.

E o aumento do desemprego está aí e nem as vendas natalinas puderam animar o comércio e a indústria.

Estoques altos e famílias gastando menos (estas, sim, realistas) buscam diminuir o endividamento. Os bancos e financeiras mostram preocupante inadimplência e as grandes corporações rolam, mas não pagam. Não existe lucratividade para permitir a queda nas dívidas.

A temporada propicia ao turismo se ressente da imagem externa do país como que dominado pela violência, sendo amplamente divulgados os casos de assaltos e crimes contra turistas.

No mais, a Copa e as Olimpíadas fizeram crescer a rede hoteleira, no Rio, e nenhuma programação foi feita para a ocupação posterior aos eventos. Isso caberia ao governo coordenar junto a agentes de viagens e transportadoras, com apoio publicitário.  

O congelamento das obras do complexo petroquímico fluminense gerou o fato desgastante junto a duas bandeiras hoteleiras internacionais de ter as unidades prontas e o complexo incompleto. Fatos que correm o mundo, naturalmente.

Os estados estão em situação crítica. Nenhuma novidade, mas todos encaram esta anormalidade dramática, atingindo centenas de milhares de famílias, com certo conformismo, apesar dos supersalários afrontarem a consciência coletiva.

A história registra exemplos do quanto pode custar a um país a insensibilidade de suas elites.  Está na hora de acordar.

********
As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio



Temos de resgatar e reunir as verdadeiras elites sociais brasileiras para a ocupação da cena política e expulsar as organizações criminosas que tomaram conta do Estado brasileiro

comentários

A qualidade de vida dos brasileiros está recuando a níveis do passado, em vez de crescer como os demais países em desenvolvimento

comentários

Somos contra o AR porque prejudica consumidores, famílias, empresas, além de ser sete vezes mais caro do que a carta simples.

comentários