São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Opinião

História de sucesso da Islândia
Imprimir

Graças a políticas heterodoxas, o país que deveria ser palco de uma devastação financeira experimentou uma crise mais suave

Acho que fui um dos primeiros comentaristas a observar, anos atrás, que havia uma coisa estranha acontecendo na Islândia. O país que deveria ser palco de uma devastação financeira estava, na verdade, experimentando uma crise mais suave do que a de muitos países graças a políticas heterodoxas: repúdio à dívida, controle de capitais e desvalorização acentuada.

CLIENTES EM AGÊNCIA DE BANCO CRIADO PELO GOVERNO NA ISLÂNDIA/Foto: Richard Perry/The New York Times

Agora, conforme ressaltou Matthew Yglesias na Vox recentemente (Leia aqui: bit.ly/1S4aXKX), a Islândia está se preparando para suspender o controle de capitais. Sua experiência desde a crise financeira ainda parece ser muito boa, considerando as circunstâncias.  

E, conforme escreveu Yglesias, o contraste interessante é a Irlanda, que hoje está sendo saudada como uma história de austeridade bem-sucedida porque a situação econômica do país parou enfim de piorar e vem melhorando nos últimos tempos. Isso é que é baixar o nível de exigência.

Imagino que alguém queira saber quais seriam os possíveis paralelos com a Grécia. Bem, se a Grécia for obrigada a renunciar ao euro, estará em condições de tentar uma desvalorização ao estilo da Islândia (e certamente imporá o controle de capitais).

Se vai funcionar tão bem quanto funcionou na Islândia ninguém sabe — antes de mais nada, abrir mão do euro é bem diferente de jamais tê-lo adotado, e eu ainda espero que essa história de Grexit [saída da Grécia] possa ser evitada.

Por enquanto, digamos apenas que a heterodoxia às vezes é muito mais eficaz do que a ortodoxia está disposta a admitir.

Momentos decisivos

Alguns leitores notaram que não tenho falado muito sobre a crise grega ultimamente. É verdade. Estamos em um momento decisivo. Agora, todos os envolvidos precisam de tranquilidade e cabeça fria para tomar uma decisão.

Quem está do lado de fora não tem muita coisa mais a dizer, pelo menos em público, que já não tenha dito antes.
 



Somente a perseverança no ajuste fiscal e uma redução menos tímida dos juros serão capazes de contribuir para uma recuperação da atividade

comentários

Um ministro do STF, sem consultar seus pares, podia decidir liminarmente pela deposição do presidente do Senado?

comentários

Ele não é o presidente que merecem, mas é o herói de que os Estados Unidos precisam

comentários