São Paulo, 25 de Setembro de 2016

/ Opinião

Gerenciando os danos
Imprimir

Quando crimes e iniquidades longamente negados e explicados como invencionices da “imprensa burguesa” crescem ao ponto de se tornar impossível escondê-los, a esquerda rouba de seus adversários o discurso de denúncia

 No último programa da Joice Hasselman, o sr. Marco Antonio Villa, sem citar o meu nome, já que não é homem para isso, voltou a chamar-me de "embusteiro", "171" e coisas similares, desta vez por ter atribuído ao dramaturgo comunista Bertolt Brecht a seguinte frase, dita a propósito dos condenados nos Processos de Moscou: "Se eram inocentes, tanto mais mereciam ser fuzilados."

       Brecht, segundo Villa, jamais disse isso.

É tudo invenção minha. Infelizmente, o episódio é testemunhado pelo filósofo Sidney Hook na página 493 do seu livro de Memórias, Out of Step. An Unquiet Life in the 20th. Century (New York, Carrol& Graf, 1987) e, segundo Paul Johnson – em Intellectuals, página 190 da edição de 2007 da Harper Perennial (agradeço ao Filipe G. Martins este lembrete) --, foi confirmado por outra testemunha, o prof. Henry Patcher, da City University.

Clique para ampliar

O leitor pode verificar por si mesmo nas imagens que acompanham este artigo.

Novamente fica esclarecido quem é o embusteiro.

Mas o embuste do qual o sr. Villa fez a sua especialidade profissional não teria maior relevância se consistisse apenas em mentir contra alguém do qual ele sabe praticamente nada e que nunca lhe fez mal nenhum.

Birras individuais sem motivo, mesmo quando levam a obsessões difamatórias, são matéria para consultórios de psicoterapia, não para discussão pública.

Clique para ampliar

Mas o anti-olavismo espumante do sr. Villa não é uma loucura sem método. Há nele toda a racionalidade perversa de uma estratégia política calculada para montar na onda da revolta popular antipetista e, esvaziando-a de todo conteúdo ideológico, revertê-la no fim das contas em benefício da mesma “revolução gramsciana” que criou o PT, o instaurou no poder e o dotou de todos os meios de mentir, trapacear e roubar sem jamais ser punido.

Muito antes de que o sr. Villa entrasse em cena, eu já havia mostrado essa estratégia em ação no Brasil (leia aqui e aqui).

Trata-se do velho artifício esquerdista de limpar-se na sua própria sujeira. Quando crimes e iniquidades longamente negados e explicados como invencionices da “imprensa burguesa” crescem ao ponto de se tornar impossível escondê-los, a esquerda rouba de seus adversários o discurso de denúncia, num esforço tardio e desesperado, mas não raro bem-sucedido, de saltar do banco dos réus para a tribuna dos acusadores.

O procedimento retórico empregado nessa operação é sempre o mesmo: reconhecer os delitos, mas atribuir sua culpa à “direita”, passando a chamar retroativamente de direitistas os mesmos líderes que durante décadas a esquerda em peso reconhecera como as personificações quintessenciais do mais puro esquerdismo.

Se fizeram isso até com Stálin – e, na França de 1968, com o Partido Comunista inteiro – por que não haveriam de fazê-lo também com Lula, na hora do aperto?

Se já esboçaram reações desse tipo em 2004 e 2006, quando os escândalos eram ainda incipientes, por que não haveriam de reencená-las, com mais ênfase ainda, no momento em que os feitos do PT se revelam, aos olhos do povo, como recordes mundiais de corrupção dignos de figurar no Guiness?

Para desempenhar sua parte no empreendimento, o sr. Villa faz das tripas coração para persuadir a plateia a engolir duas mentirinhas bobas nas quais nem ele mesmo acredita:

Primeira: Nem Lula nem o PT têm nada de comunistas. Lula não passa de um direitista empenhado em defender o grande capital.

Segunda: Só quem pode e deve fazer algo contra o descalabro petista são as “nossas instituições democráticas”: o Congresso e o sistema judiciário. As massas que tratem de refrear seus impulsos belicosos e de obedecer a seus “legítimos representantes”. Tudo o que vá além desse limite é “saudosismo da ditadura”.

Comentarei aqui só a primeira delas, deixando a segunda para um artigo vindouro.

Com o objetivo de sustentar a tese do direitismo petista o comentarista tem de estreitar propositadamente o seu horizonte de visão até que nada caiba nele além de um “esquema de corrupção” do qual se beneficiam, junto com o PT, alguns grandes grupos bancários e empresariais. Para fazer disso um “direitismo” é preciso operar no corpo da realidade alguns cortes drásticos, suprimindo:

(a) o fato de que o esquema tem financiado o crescimento das organizações de esquerda até o ponto em que só elas, e mais partido nenhum, podem apresentar candidatos à presidência;

(b) o fato de que as verbas do Estado brasileiro têm sido usadas generosamente para salvar o movimento comunista na América Latina e na África, injetando vida nova em regimes ditatoriais economicamente moribundos;

(c) o fato de que essas mesmas verbas alimentam o crescimento da “revolução cultural” gramsciana em todas as áreas da vida social, promovendo sistematicamente a derrubada dos valores que na perspectiva gramsciana representam a “ideologia burguesa”;

(d) o fato de que o dinheiro público fomenta o crescimento ilimitado de “movimentos sociais” criminosos, cada vez mais reconhecidos como entidades imunes à aplicação das leis.

E por aí vai. As vantagens financeiras que alguns banqueiros e empresários têm levado nesse esquema não são nada mais que as migalhas que o próprio Lênin recomendava atirar a uma burguesia idiota o bastante para abdicar de todo poder político próprio – e até de um discurso ideológico próprio - em troca de um dinheiro sujo que só serve para escravizá-la cada vez mais à liderança esquerdista.

É só suprimir esses fatos, e pronto: transferida a patifaria lulista para a “direita”, o público está preparado para contentar-se com um antipetismo higienizado, castrado, apolítico, incapaz de trazer qualquer dano às organizações de esquerda, mas bem capaz de salvá-las do desastre que elas mesmas criaram.

Tal é o antipetismo do sr. Villa e de outros iguais a ele: puro gerenciamento de danos.

 



Ele disse desconhecer que os valores depositados em conta secreta do casal de marqueteiros eram relativos a dívida de campanha da presidente afastada Dilma Rousseff

comentários

Dá-se destaque, como se fosse notícia, ao desânimo de Lula. Enquanto isso, milhões de brasileiros buscam emprego

comentários

O ex-tesoureiro João Vaccari Netto pensa em delação premiada, enquanto José Dirceu propõe um inédito "acordo de leniência" para abrir os segredos do partido

comentários