São Paulo, 27 de Abril de 2017

/ Opinião

Era de incertezas
Imprimir

Como Trump é considerado um homem de direita, a esquerda, sob inspiração ainda do PT, está na oposição e quer que o mundo se exploda, a começar do nosso país.

A partir desta sexta-feira, dia 20 de janeiro, o mundo entra em uma nova era de incertezas (na qual já está o Brasil). Quem disse que sabe o que e como fará Donald Trump à frente dos Estados Unidos  estará mentindo. Nem ele próprio talvez saiba.

Uma coisa é certa e nem é preciso entrar no mérito de seu pensamento, sua visão, seu jeito de agir, a falta de previsibilidade de como irá se comportar como importante liderança mundial deixa todos de cabelos em pé. Sem topete.

Estou chovendo no molhado, mas essa preocupação fica mais acentuada por ser Trump considerado um homem de direita e hoje, no Brasil, a esquerda, sob inspiração ainda do PT, está na oposição e quer que o mundo se exploda, a começar do nosso país.

O que tem a ver? Como será a visão e como serão as atitudes de Trump em relação ao Brasil?

Sejam quais forem e não se sabe ainda o que imaginar a esquerda pátria, que destruiu o país nos últimos 13 anos sob a égide do lulopetismo, irá exacerbar e colocar mais lenha na fogueira na ótica crítica, como forma de busca espaço para duas coisas: o clima de quanto pior, melhor, para o Brasil, e aparecer novamente na mídia como capaz de salvar o país, ironicamente, da situação em que eles mesmos nos enfiaram.

Cinicamente agora atribuem a Temer, cujo governo poderia ter mais personalidade, responsabilidade pelos desatinos em que o lulopetismo nos enfiou em três e meio desastrosas gestões no plano federal.

Por isso mencionei as incertezas. O Brasil vive um momento delicadíssimo onde quem destroçou o país –repito, o lulopetismo- quer aparecer de salvador da pátria, agitando, bravateando, tentando impor no grito verdades que não mais colam em situações que Lula e o PT infligiram ao patropi e agora infligem, na oposição, tentando por fogo no país e gerando medo na população.

E ainda vem lá do Norte uma incerteza que, certamente, se for algo negativo, impactará em solo tupiniquim, deixando ainda mais insegura a realidade atual, na economia e na política.

O PT e o lulismo são infernos astrais permanentes para a maioria dos brasileiros que conseguiu, finalmente, enxergar, quem eles são de fato.  Quase liquidaram com a vida nacional. Fizeram tudo que de ruim e pior se pode fazer. Outros faziam, mas perto do PT viraram meros trombadinhas. E, afastados do poder federal pela via legal (e na capital paulista e resto do país pelas urnas) agora se dedicam a tentar desestabilizar de vez nosso cotidiano, se arvoram em críticos e se lançam candidatos em eleições que imaginam, e seguem felizmente agora com um pequeno grupo que sobrou (muitos foram presos e outros ainda serão e terceiros estão desertando porque viram o tamanho da encrenca que virou) achando e tentando manipular a boa fé dos brasileiros incautos.

Tem faltado determinação ao governo que sucedeu o PT para mostrar ao país o quanto foi destruído e porque a população vive hoje mais pobre e em crise.

Tem faltado ao Congresso Nacional a grandeza de parar de pensar pequeno e somente em suas aspirações pessoais.
Tem faltado à sociedade que foi às ruas e tirou o PT do poder federal pela via legal a mesma determinação de antes de não dar espaço para o lulopetismo se vitimizar, para não prosperarem as sabotagens dos movimentos e centrais ligados ao partido de Lula e Falcão e para não acatar com passividade as ações e declarações de gente que só tem em mente o bem dela própria à custa do sofrimento da população. E ainda falam e m nome de estar buscando melhorar a vida dos brasileiros.

Quanta mentira.

Quanta hipocrisia

Quanto cinismo.

E tem faltado também ao STF a grandeza que dele se espera. Partidarizou-se? Perdeu a noção de sua missão?

********
As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio



Quando todos puxam a brasa para sua sardinha, o cobertor fica curto, a corda estica e se rompe para todos, anulando o resultado de qualquer movimento, zerando vantagens indevidas, prenunciando a estagnação e o declínio geral de uma nação

comentários

Gary Cohn, diretor do Conselho Econômico Nacional, disse que os EUA são menos competitivos entre os países desenvolvidos em relação à carga tributária

comentários

Imbatível no segundo turno presidencial de 7 de maio, candidato centrista quer suprimir 120 mil empregos públicos e propõe equilíbrio fiscal

comentários