São Paulo, 27 de Setembro de 2016

/ Opinião

Até tu, Lula? Ou, é você mesmo, Lula?
Imprimir

O que vocês acham de uma empreiteira doar ao instituto de um ex-presidente, em cujo mandato ela foi uma das campeãs de obras públicas?

A lógica do PT, inspirada na “lógica” de Lula é simples. Todo dinheiro recebido pelo partido e/ou pelo ex-presidente, mesmo sendo vergonhosamente imoral, é “dentro da lei”.

Argumento falacioso que serve de justificativa para as empreiteiras que se abarrotaram de dinheiro público nas gestões petistas terem jorrado pagamento de comissões, propinas de forma lateral no superfaturamento das obras “ganhas” pelas mesmas empreiteiras.

E, ainda, há outra vertente nessa “lógica”. Se é feito para o PT, pelo PT, é legal. Se é pelo adversário, vira crime. 

E o PT nunca sabe de nada. Nem os governantes do partido. Lula, então, um absoluto ignorante em matéria do que se passava e se passa sob seu nariz. Até tu, Lula?

A denúncia gravíssima de que a empreiteira Camargo Correa pagou três milhões de reais ao Instituto Lula, sob a rubrica “bônus eleitoral”, seja lá o que isso signifique e mais um milhão à firma do ex-presidente, de nome formado por suas iniciais LILS, a título de “palestras”, é reveladora de como agem os sindicalistas que, após chegar ao poder, tomaram de assalto o Brasil e tentam transforma-lo numa Venezuela.

Fosse o PT oposição, e a notícia da doação se referisse ao ex-presidente FHC, por exemplo, a estas horas o país todo já estaria mobilizado pela fantástica máquina de propaganda petista, exigindo a prisão, a apuração, a danação, do tucano.

O PSDB, todavia, na oposição, é uma moça delicada e inibida no baile de debutantes.

Atribuo parte da culpa do enraizamento petista nas entranhas do poder e do aparelhamento da máquina pública federal à tibieza oposicionista dos tucanos.

Já escrevi aqui e repito: Aécio Neves deve pensar que os mais de 50 milhões de votos que recebeu foram para sua simpatia, elegância, charme. Sé é que as tem.

Votei nele como essa imensa multidão, por ser ele o instrumento possível, naquele momento, de tirar do poder de quem tomou o país para si, para um partido, sem a pretensão de devolvê-lo jamais.

E em vez de ir na jugular de quem pratica malfeitos incessáveis e incontáveis, usa de eufemismos e moderações, dando espaço para o avanço, consolidação e agora desculpas dos companheiros afortunados pelo cofre público.

Não fosse de mal tom, e eu diria como antanho: vá lamber sabão oposição.

Não há nada de legal um ex-presidente receber três milhões de uma empreiteira que se beneficiou de obras de seu governo (quase todas inconclusas até hoje).

Como é absolutamente imoral receber um milhão de reais para “palestras” quando se sabe que essa mesma empreiteira também patrocina as viagens de Lula em jatos particulares.

Somos todas trouxas, isso sim.

Um governo absolutamente despreparado, desonesto até de propósito, e uma oposição mediocremente medrosa, ou comprometida.
 
De outro lado, na mesma linha da empulhação, vem a governanta com mais um majestoso pacote de suntuosas obras que nunca sairá do papel, como as já anunciadas, mas que servem de objeto para propaganda e mentira para sustentar um governo que começou e segue desacreditado.

Tomará que dê certo. Como brasileiro torço pelo país.

Mas o historio petista mostra que se trata de mais uma cortina de fumaça, mais um PAC qualquer, mais uma transposição do São Francisco, mais um trem-bala, mais qualquer coisa na qual o Planalto e o Instituto Lula possam se apegar para manter-se no poder à custa de artimanhas e doações “legais” vindas do tesouro público.

E quem depende de dinheiro público, da propaganda oficial, segue sabujando. Estranho a Folha de S. Paulo, onde trabalhei por dez anos. Estranho a Globo.

Quanto será que entra de propaganda paga com dinheiro público - tipo Caixa, BB, Petrobras, BNDES, para ficar em alguns cofres do povo - nestes veículos de comunicação para, salvo melhor juízo onde ainda dou o benefício da dúvida, fingirem que o país da publicidade petista existe?