São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Opinião

Até quando?
Imprimir

Que país é esse que aceita que seus senadores sejam constrangidos e vilipendiados pelo governo de um país que se diz amigo?

A nota do governo da Venezuela, na qual descarta “as grandes mentiras” da imprensa sobre a missão dos senadores brasileiros está deslocada, geograficamente. Ela devia  ter sido expedida do outro lado do mundo,  pela Coréia do Norte, tamanha a irrealidade e alienação que a caracterizam.

Mas, deslocamentos à parte, o verdadeiro problema para nós brasileiros não é a Venezuela, muito menos a Coréia do Norte, mas o Brasil, no caso específico o seu governo.

Mostrou-se o governo brasileiro, pela pífia nota expedida pelo seu Ministério das Relações Exteriores, partícipe do jogo de cena com o governo ditatorial da Venezuela.

Afinal, redigir uma nota que sabidamente não dará em nada, enquanto as autoridades venezuelanas não escondem sua participação na pajelança montada em Caracas e ainda tripudiam sobre os senadores brasileiros, é um atentado, não só à democracia que algum dia tentou se construir no país vizinho, como à democracia brasileira.

Com essa pantomina, à qual cinicamente adere o governo brasileiro, a democracia no Brasil recebe, mais uma vez, a aguilhoada do ferrão autoritário e ideológico do PT encastelado no poder.

Voltamos à famigerada pergunta cantada em prosa e verso: que país é esse? Que país é esse que se associa a um regime como o de Chavez e Maduro e ainda patrocina sua entrada no Mercosul? Que país é esse que aceita que seus senadores sejam constrangidos e vilipendiados pelo governo de um país que se diz amigo? Que país é esse que se cala e, pela omissão, se associa ao desrespeito dos Direitos Humanos?

É o Brasil governado pelo PT, sem vergonha e amor próprio, que é humilhado em casa numa Copa do Mundo pela qual a população revoltada pagou bilhões de reais e agora tenta se blindar contra as investigações que derretem a FIFA.

É o Brasil à deriva da corrente inextinguível da corrupção e do conchavo, onde não há justiça, só acertos, panelas e corporativismos.

É o Brasil onde as provas cabais de desgoverno e descaminho da coisa pública são relativizadas em decisões que não têm o menor pejo em desrespeitar a Constituição.

"O que estamos assistindo é a falência da sociedade politicamente organizada"

Que Brasil é esse? Houve tempo em que o Brasil teve moral e voz para se levantar contra um golpe de estado que atingiu o protoditador Chaves, dando demonstrações cabais de competência diplomática e coerência política aos seus vizinhos americanos.

Antes que Chavez viesse a se tornar o monstro político que violou todas as suas promessas democráticas, o Brasil não teve dúvidas em apostar, não em Chavez, mas na democracia na Venezuela, e o fez serena e substancialmente, em histórica sessão da OEA que encerrou o lamentável atentado à democracia naquele país.

Quem mais deveria agora cobrar da Venezuela o apoio à sua democracia? Nenhum país do Hemisfério apostou tanto na democracia venezuelana quanto o Brasil. Mas o que sobrou desse Brasil?

Nada. A diplomacia brasileira, outrora respeitada, hábil e equilibrada, curva-se hoje a um grupo que tudo enxerga pelo viés ideológico, em função de aparelhamento do Estado ao qual as demais instituições não conseguem se contrapor.

Diga-se, a bem da verdade, que essa não é uma chaga apenas do Itamaraty. Distintos setores do Estado deixam de cumprir o que lhes cabe fazer, controlados, submetidos ou patrulhados que estão pelo PT no governo e fora dele.

As pedaladas fiscais e a impunidade que se lhe segue são apenas o último grande episódio desse deboche à sociedade brasileira. O da Venezuela é apenas o mais recente, mais um.

Comecemos pelo deboche, para bem caracterizar o que tal poder dedica à sociedade. Somemos afronta, arrogância, cinismo, mentira, desonestidade, covardia, simulação, acumpliciamento, roubo, indignidade, imoralidade e amoralidade para compormos o rol de males que assolam a administração pública brasileira.

Só assim se explica o que, bovinamente, estamos assistindo acontecer no País. O que estamos assistindo é a falência da sociedade politicamente organizada, do Estado brasileiro, nas suas prerrogativas de Justiça, Segurança e Moral Pública. E as vítimas somos todos nós, não importa onde pensamos estar.

A nota do Itamaraty sobre as ofensas aos senadores brasileiros está de acordo  com o que se pratica no País: fazer o mal, agir de má-fé, fingir e mentir  compensa. Sem dúvida, mas até quando?
 



Somente a perseverança no ajuste fiscal e uma redução menos tímida dos juros serão capazes de contribuir para uma recuperação da atividade

comentários

Um ministro do STF, sem consultar seus pares, podia decidir liminarmente pela deposição do presidente do Senado?

comentários

Ele não é o presidente que merecem, mas é o herói de que os Estados Unidos precisam

comentários