São Paulo, 23 de Julho de 2017

/ Opinião

A verdade sobre a "pós-verdade"
Imprimir

Eleita expressão do ano pelo dicionário de Oxford, no Reino Unido, significa aquilo em que acreditamos -não pela veracidade dos fatos, mas pelas emoções que nos provocam

Acreditar que os modismos que chegam de fora são fundamentais para entender o que ocorre no Brasil não é um bom procedimento.

Deixa-nos atrelados a condições culturais e políticas que não são as nossas. Mas a expressão "pós-verdade"  é uma exceção, porque nos faz pensar.

Mas afinal, o que é pós-verdade? Ela foi escolhida pelo dicionário produzido pela Universidade de Oxford, do Reino Unido, como a expressão típica de 2016.

Significa alguma coisa que ganha credibilidade pelas emoções e crenças pessoais que desperta, e não em razão de fatos objetivos.

Existe a pós-verdade quando Lula e seus amigos qualificam a Lava Jato como uma conspiração para desqualificar os direitos conquistados pelos mais pobres.

Ou quando as redes sociais divulgam que o governo distribuirá carteiras de trabalho nos berçários das maternidades, para que os bebês cheguem um dia à aposentadoria, com as regras draconianas agora propostas para a Previdência.

Ou então, em determinados casos, quando um produto é uma oferta na Black Friday, e o varejista maquia os preços para levar vantagem sobre o consumidor.

Para resumir, a pós-verdade pode ser quase tudo. Para driblá-la, cada cidadão precisaria ser assessorado por especialistas ao ler o noticiário político, tentar entender uma determinada diretriz social do governo ou então, como consumidor, aproximar-se de um produto ou serviço.

Mas os filólogos ingleses da Universidade de Oxford  não descobriram nenhuma novidade.

Se, de um lado, a verdade é o que todos nós acreditamos conhecer em nosso dia a dia, de outro lado a verdade é uma coisa bem mais complicada. A Filosofia nasceu há pouco menos de 2.500 anos justamente porque se preocupou com o assunto.

Para complicar o mínimo possível essa explicação, digamos de início que a pós-verdade já está há bons séculos na lingua portuguesa. Mas sob uma outra palavra: verossímil.

O verossímil é aquilo que tem todo o jeitão de verdade, mas não é necessariamente verdade. Os gregos usavam para isso a palavra doxa.

De onde surgiu em português a palavra paradoxal, aquilo que pode ser verdade, apesar de não ter o jeitão de sê-lo.

Se tomarmos distância para enxergar melhor as coisas, descobriremos que o verossímil – ou a pós-verdade – é bem mais antigo que a opinião pública, que surgiu na mesma época – final do século 18 - que a democracia representativa ou o próprio mercado, como sistema de livre produção e comercialização de bens e serviços.

O verossímil (ou doxa) apareceu na história com a primeira tentativa da humanidade de adotar políticas de governo discutidas pelos cidadãos. Foi em Atenas, no século 5º antes de Cristo.

Foi o chamado século de Péricles, que era o governante da cidade-estado ateniense. Naquela época, política e filosofia eram mais ou menos a mesma coisa, porque os governantes e os filósofos procuravam convencer os cidadãos que tinham a verdade como único objetivo.

Claro que não era apenas uma questão de ponto de vista. Péricles e os que pensavam como ele eram apoiados por Platão ou Aristóteles.

Enquanto os demagogos, que chegaram ao poder com governantes como Hipérbolo (vem dele a palavra que designa quem fala muito), aceitavam a demagogia, porque ela era o caminho mais curto para o convencimento.

 Por coincidência, os políticos e os filósofos tinham o mesmo adversário no jogo pela conquista da opinião da maioria. Esse adversário, grosso modo, eram os sofistas.

Para o sofista, a verdade não era tão importante. O importante era o que poderia ser convincente.

Se eu, como bom orador, conseguisse convencer os cidadãos reunidos na Ágora que determinada previsão era a melhor, pouco importa que ela fosse verdadeira. O importante é que todos se convencessem de que era esse o caminho.

E os sofistas estavam tão encantados com a impressão de superioridade de Atenas que não perceberam que Esparta representava uma ameaça militar verdadeira, que conquistou Atenas e acabou com a democracia ateniense em 403 antes de Cristo.

Essa história pode parecer meio chata. Mas ela é importante por dois motivos. Em primeiro lugar, demonstra que os filósofos (e, por extensão, os bons políticos) não se contentavam com a pós-verdade.

E o segundo motivo é que desse confronto, entre filósofos e sofistas, exerceu-se pela primeira vez a política e, com ela, nasceu nem mais nem menos que a história, segundo reflexão exemplar do helenista francês François Châtelet (1925-1985).

Mas voltemos ao Brasil atual. Quando os partidários de Dilma gritavam "não vai ter golpe!", eles estavam vergonhosamente mergulhados na pós-verdade.

Quando os partidários de Temer acreditavam idilicamente que o documento "Uma ponte para o futuro" colocaria de imediato o país nos trilhos virtuosos, eles também minimizavam as dificuldades e escorregavam na pós-verdade.

A pós-verdade estava também presente na campanha de Donald Trump. Uma instituição especializada na checagem de afirmações eleitorais descobriu que 74% das afirmações dele eram inverídicas ou verdades aproximadas. Trump é a reencarnação dos sofistas. Fernando Collor também o foi, ao se eleger no Brasil em 1989.

Em resumo, pós-verdade é algo tão velho quanto andar para a frente. Saber que ela existe não vai transformar o mundo. Mas é um detalhe importante da linguagem cotidiana que nos ajuda a ser mais espertos.

FOTO: Thinkstock
 



Para o economista Carlos Geraldo Langoni, os juros mostram tendência clara de queda e o câmbio, relativa estabilidade. Isso sugere que o contágio da percepção de risco país pela tensão política foi baixo

comentários

Há um consenso entre economistas que já trabalharam em governo, como José Roberto Mendonça de Barros (foto), de que o país só voltará a crescer com um novo presidente

comentários

Os brasileiros sabem muito bem que a crise econômica, política e social que o País enfrenta tem por raiz o mau comportamento das pessoas. A crise é, portanto, moral

comentários