São Paulo, 28 de Setembro de 2016

/ Opinião

A estatística macabra dos jovens brasileiros
Imprimir

Existem duas opções para conter a violência: educação preventiva e punição. Mas é essencial a vontade política

A Unicef, com outras entidades de igual relevância, divulgou recente estatística, demonstrando o crescimento assustador de assassinato de jovens em nosso país. E, o que ainda é pior, o trabalho mostra uma tendência de crescimento desses assassinatos até 2040.

A divulgação desta pesquisa, além de ser vergonhosa para a nossa sociedade, comprova que o Brasil ainda está muito longe de se tornar uma Nação desenvolvida. A miséria moral ainda predomina em nosso meio.

O pior é que a solução para este grave problema nacional passa por um processo de educação moral que está longe de acontecer em nossos dias, por absoluta falta de vontade política.

A miséria moral continua a prevalecer entre nós por várias razões, que começam pela falta de educação e pela tentativa de desestruturação dos bons costumes por parte de alguns falsos intelectuais, que estão mais interessados em aplicar a revolução gramscista no Ocidente do que seguir a ordem e o progresso inscritos em nosso pavilhão.

É por isso que a sociedade não pode aceitar passivamente essa triste realidade, sem se indignar contra a estatística macabra É preciso exigir dos responsáveis uma solução para o fim na morte precoce de nossos jovens.
 
Em resumo dessa tragédia, duas são as alternativas possíveis para ajudar na solução do problema: educação preventiva ou punição aos infratores.

Evidentemente que a segunda alternativa relativa a punição é a mais dolorida de implantar, já que passa pela necessária redução da idade penal do menor; a criação de um sistema penal educativo especial para o adolescente infrator, com a inclusão de instrução escolar compulsória e a aplicação de um regime disciplinar rígido.
 
Um programa dessa natureza, no entanto, exigirá tanto investimento para sua estrutura quanto pessoal especializado no tratamento dos jovens infratores. Sabe-se que isto não será fácil, em razão da falta de recursos e da vontade política.
 
Diante da distância que o nosso país se encontra dessa realidade, pensar um programa desta envergadura é utopia. Basta ver nosso atual sistema penal.

A segunda alternativa, relativa a implantação de uma política de educação pública preventiva, iniciando-se na infância da criança e a acompanhando até a idade suficiente para se incluir no mercado de trabalho digno.

Quando hoje se constata a falência do ensino público, como se viu no último exame do Enem, percebe-se o quanto será difícil executar uma política de educação nos padrões necessários, sem que haja reformas estruturais na educação de base, além de muita vontade política.

Para o sucesso de um plano educacional de base deste porte será preciso a adoção de período integral na escola, para que a criança permaneça ali o dia todo, aprendendo, em contato com a arte, o esporte e o entretenimento, além das letras e dos números.
 
Torna-se imprescindível que a criança cresça estimulada no aprendizado de interesse para seu futuro, incluindo várias atividades diárias, além das aulas regulares.
 
Será fundamental o retorno das aulas de moral e cívica no currículo escolar para a consciência do dever cívico da criança e do respeito aos valores morais. Sem amor à pátria e respeito ao semelhante, não se consegue construir uma sociedade responsável.
 
A educação moderna precisa ultrapassar o espaço da escola, para envolver a família, principalmente as de baixa renda, que na maioria das vezes não dispõe de tempo para cuidar dos filhos, já que precisa trabalhar de sol a sol.

A escola moderna, seja pública ou privada, precisa trazer a família para dentro de seu espaço, afim de que haja sintonia entre o aprendizado dos valores morais e o conhecimento científico.

Só com programas de ensino realista e da capacitação dos professores, em consonância com os valores de família, é que poderemos construir uma sociedade fraterna, mudando essa triste estatística dos assassinatos de jovens brasileiros, que, sem outra perspectiva melhor, deixam-se arrastar no mundo do crime e das drogas.

Ainda há tempo para salvar nossas crianças desse destino vil. Basta a vontade política!

 



Adolfo Savelli, coordenador-geral do conselho cívico da Associação Comercial, recebeu homenagem pelo trabalho de cidadania da entidade

comentários

Campanha das Bandeiras, uma iniciativa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) em conjunto com 12 entidades, visa fazer com que o civismo recrudesça entre os jovens

comentários

Quanto mais jovens os empregados se sentem, mais eficientes eles são para a empresa - e isso não tem nada a ver com o ano em que eles nasceram

comentários