São Paulo, 10 de Dezembro de 2016

/ Opinião

A ditadura bolivariana na Uerj
Imprimir

A ditadura na Venezuela já demonstrou todos os seus horrores. E, mesmo assim, é abertamente apoiada, em ambiente universitário, por gente do PT

A quinta-feira, 9 de abril de 2015, foi mais um dia que manchou a Universidade Estadual do Rio de Janeiro – UERJ.

A universidade abrigou um evento chamado “Ato de apoio a Revolução Bolivariana e contra as ingerências do imperialismo norte-americano”, no qual “estudantes” “universitários” brasileiros colocaram-se em favor da ditadura venezuelana perpetrada por Chávez e mantida por Nicolás Maduro.

Para um país riquíssimo em petróleo, a Venezuela está paupérrima, graças a uma nomenklatura bolivariana histérica e truculenta que drena todos os recursos do país e governa com poderes policiais.

Os cidadãos da Venezuela que resolveram lutar contra esse estado de coisas são mortos. Jovens e oposicionistas estão sendo brutalmente atacados e presos porque buscavam nas ruas, ativar os mecanismos descritos na constituição venezuelana.
O arbítrio é total. Nem a própria Constituição bolivariana é respeitada pelos seus próprios autores bolivarianos!

Na Venezuela falta tudo, inclusive papel higiênico. A ditadura venezuelana provocou uma das inflações mais altas do mundo, a escassez sistemática de alimentos e triplicou a violência urbana: sob o regime bolivariano, a cidade de Caracas se transformou na capital mais perigosa do mundo. Em 2013, por exemplo, o país contabilizou 25 mil assassinatos.

As medidas de controle estatal dos meios de comunicação e internet, a desmilitarização da polícia, o desarmamento da população, processos eleitorais fraudulentos e o apoio de organizações paramilitares e terroristas mantidas pelo governo têm conseguido dobrar o povo venezuelano, colocando-o a mercê de um projeto de poder tirânico e corrupto.

Notaram as pautas? Notaram os métodos? Conhecem algum partido que defende medidas como estas aqui no Brasil?
Pois é. Por isso, a luta dos venezuelanos contrários ao bolivarianismo é a mesma luta dos brasileiros contra o PT.

Como se sabe, o petismo está ligado ao bolivarianismo sob a égide do Foro de São Paulo e, por isso, o governo brasileiro – além de cúmplice moral dos assassinatos e prisões arbitrárias – sustenta a ditadura bolivariana com créditos oficiais e afagos diplomáticos.
O “socialismo do século XXI” está destruindo a Venezuela, mas, para a esquerda brasileira, as experiências de Cuba, Coréia do Norte, China e de toda América Latina não são suficientes.

O petismo iniciou seu ocaso, mas seus frutos malignos ainda proliferam na educação brasileira. Voltemos para a UERJ.
Enquanto a situação na Venezuela é caótica, “estudantes” brasileiros, submetidos ao “estupro ideológico” das esquerdas, optam por abraçar e se aliar a uma ditadura que persegue seus jovens e estudantes.

O artigo de hoje é, portanto, uma nota de repúdio ao que, na verdade, foi um “Ato pró-ditadura bolivariana” na UERJ, à doutrinação ideológica nas instituições de ensino brasileiras, à morte indiscriminada dos estudantes venezuelanos e ao nosso governo petista.
Mas há esperança. E estudantes de verdade fizeram um anti-ato contra essa palhaçada. Bravo! São esses os estudantes que honram a história da UERJ.

“A única coisa necessária para o triunfo do mal é que os bons não façam nada”, já dizia Edmund Burke, considerado o pai do ‘conservadorismo’.

Burke tem razão: Os maiores inimigos da liberdade não são os ditadores. São os omissos. Não podemos nos calar!
Fora Bolivarianismo! Fora PT! Fora Foro de São Paulo!


(Com Fernando Fernandes, mestrando pela UERJ)



Em palestra na ACSP, o cientista político Antônio Lavareda (à direita), especialista em eleições, disse que a história eleitoral associa maus resultados nas municipais às eleições seguintes

comentários

Partido elegeu 265 prefeitos, em vez dos 634 em 2012. Eleitores rejeitaram a tese do "golpe" e responsabilizaram os petistas pela corrupção e pela crise econômica

comentários

Ele disse desconhecer que os valores depositados em conta secreta do casal de marqueteiros eram relativos a dívida de campanha da presidente afastada Dilma Rousseff

comentários