São Paulo, 26 de Julho de 2017

/ Negócios

Volume de vendas no varejo recua 0,1% em maio ante abril
Imprimir

Na comparação com o mesmo mês de 2016, o comércio registrou alta de 2,4%, de acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PME), do IBGE

O volume de vendas no comércio varejista apresentou uma queda de 0,1% entre abril e maio deste ano, segundo dados da Pesquisa Mensal de Comércio divulgados nesta quarta-feira (12/07) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A queda veio depois de uma alta de 0,9% na passagem de março para abril.

Na comparação com maio de 2016, o comércio registrou uma alta de 2,4%. Nos acumulados do ano e de 12 meses, no entanto, foram registradas quedas de 0,8% e 3,6% respectivamente.

Na passagem de abril para maio, quatro dos oito segmentos apresentaram recuo no volume de vendas: tecidos, vestuário e calçados (-7,8 %) , livros, jornais, revistas e papelaria (-4,5 %) , equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (-2,8 %) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (-0,1 %).

Por outro lado, quatro segmentos tiveram aumento das vendas: supermercados, alimentos, bebidas e fumo (1,4 %) , móveis e eletrodomésticos (1,2 %) , artigos farmacêuticos, médicos e de perfumaria (0,9 %) e combustíveis e lubrificantes (0,6 %) .

Avaliando-se o varejo ampliado, que também reúne os materiais de construção e veículos e peças, houve uma queda de 0,7%, apesar dos dois segmentos citados terem apresentado alta: veículos (1,2 %) e material de construção (1,9 %).

RECEITA NOMINAL

A receita nominal do comércio varejista teve crescimentos de 0,2% na comparação com abril, 3,1% na comparação com maio de 2016, 1,8% no acumulado do ano e 3,5% no acumulado de 12 meses.

Já a receita do varejo ampliado caiu 1,2% na comparação com abril, mas cresceu 4,5% na comparação com maio de 2016, 1,1% no acumulado do ano e 0,2% no acumulado de 12 meses.



A crise econômica gerou mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros, que aprenderam a pesquisar preços e transformaram presentes em lembrancinhas

comentários

De forma geral, os indicadores continuam em patamares melhores do que no ano passado, mas ainda aquém do desejável de uma economia em sua plenitude, de acordo com a Fecomercio

comentários

A inflação medida pelo IPCA-15 fechou com deflação de 0,18% em julho, 0,34 ponto percentual inferior ao resultado de junho

comentários