São Paulo, 17 de Janeiro de 2017

/ Negócios

Vendas em redes de farmácias crescem 10,4% no primeiro trimestre
Imprimir

Um dos poucos segmentos a registrar bom desempenho, o faturamento do varejo farmacêutico superou R$ 8 bilhões. Detalhe: mais de um terço do total foi obtido com vendas de itens que não são medicamentos

As vendas nas redes de farmácias atingiram cerca de R$ 8,24 bilhões no primeiro trimestre deste ano --valor 10,42% superior ao registrado em igual período do ano anterior, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma).

O resultado foi impulsionado especialmente pelos itens da categoria "não medicamentos", que inclui produtos de higiene pessoal, cosméticos, perfumaria, xampu, absorventes íntimos, adoçantes, tintura de cabelo, preservativos e protetores solares, entre outros. A categoria foi responsável por movimentar R$ 2,86 bilhões entre janeiro e março, alta de 13,44% em relação a igual período de 2014.

"Os não medicamentos já representam 34,82% do total comercializado", afirma o presidente executivo da Abrafarma, Sérgio Mena Barreto.

No período estudado, os medicamentos acumularam R$ 5,37 bilhões em vendas, totalizando um avanço de 8,97% em relação ao primeiro trimestre do ano anterior. Os genéricos tiveram um avanço de 7,78% na mesma base de comparação, com uma participação de 7,32% no total de comercialização dos remédios.

A pesquisa foi conduzida pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (FIA-USP), que também indicou mais de 515 milhões de unidades vendidas entre janeiro e março.

LEIA MAIS: Cosméticos do Brasil para a Colômbia

Supermercados têm queda de 1,3% no primeiro trimestre



A gigante do varejo online deve abrir loja sem caixas, sem filas e 100% automatizada

comentários

O chef Mahmoud Ghalou pensava apenas em sustentar a família quando investiu nas tradições culinárias do seu povo. Da iniciativa informal, nasceu a marca Sonho Árabe, sucesso em feiras e eventos

comentários

Os negócios com receita recorrente vêm crescendo tanto que os especialistas já falam em Economia da Recorrência. No varejo, os clubes de assinatura colocaram esse modelo em prática

comentários