São Paulo, 03 de Dezembro de 2016

/ Negócios

Vendas em redes de farmácias crescem 10,4% no primeiro trimestre
Imprimir

Um dos poucos segmentos a registrar bom desempenho, o faturamento do varejo farmacêutico superou R$ 8 bilhões. Detalhe: mais de um terço do total foi obtido com vendas de itens que não são medicamentos

As vendas nas redes de farmácias atingiram cerca de R$ 8,24 bilhões no primeiro trimestre deste ano --valor 10,42% superior ao registrado em igual período do ano anterior, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma).

O resultado foi impulsionado especialmente pelos itens da categoria "não medicamentos", que inclui produtos de higiene pessoal, cosméticos, perfumaria, xampu, absorventes íntimos, adoçantes, tintura de cabelo, preservativos e protetores solares, entre outros. A categoria foi responsável por movimentar R$ 2,86 bilhões entre janeiro e março, alta de 13,44% em relação a igual período de 2014.

"Os não medicamentos já representam 34,82% do total comercializado", afirma o presidente executivo da Abrafarma, Sérgio Mena Barreto.

No período estudado, os medicamentos acumularam R$ 5,37 bilhões em vendas, totalizando um avanço de 8,97% em relação ao primeiro trimestre do ano anterior. Os genéricos tiveram um avanço de 7,78% na mesma base de comparação, com uma participação de 7,32% no total de comercialização dos remédios.

A pesquisa foi conduzida pela Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo (FIA-USP), que também indicou mais de 515 milhões de unidades vendidas entre janeiro e março.

LEIA MAIS: Cosméticos do Brasil para a Colômbia

Supermercados têm queda de 1,3% no primeiro trimestre



Constitucionalistas consideram inevitável questionamentos como esse: sua lealdade será com suas empresas ou com o interesse dos Estados Unidos?

comentários

Visita será feita por representantes de cerca de cem companhias dos setores de infraestrutura, agronegócio, defesa, automotivo, energia e ambiente

comentários

Vendas no Brasil ajudam os resultados globais do Casino e Carrefour. Vivo e Santander comemoram aumento de receita e lucro, enquanto Bayer e Ab-Inbev lamentam mau desempenho

comentários