São Paulo, 07 de Dezembro de 2016

/ Negócios

Vendas do varejo têm pior resultado em três anos
Imprimir

A queda real (descontada a inflação) foi de 0,60% de janeiro a maio, segundo o Instituto para o Desenvolvimento do Varejo

As vendas do comércio varejista acumulam queda real de 0,60% de janeiro a maio deste ano, de acordo com dados do IDV (Instituto para o Desenvolvimento do Varejo). O resultado, que considera a variação já descontada a inflação, é o pior em três anos de medições pelo instituto para esse período dos primeiros cinco meses do ano.

Considerando apenas o mês de maio, as vendas tiveram queda real de 3,5% na comparação com o mesmo mês de 2014.

Em nota, Luiza Helena Trajano, presidente do IDV e do Magazine Luiza, afirmou que o resultado reflete o cenário macroeconômico desfavorável e a piora de indicadores relevantes para o varejo, como a desaceleração da renda, o aumento do desemprego, a contração do crédito, a alta inflação e o menor índice de confiança do consumidor.

O segmento de bens duráveis foi o que mais colaborou com o resultado negativo de maio. Houve retração real de 7,7% ante o mesmo mês de 2014.

O segmento de bens não duráveis - que responde em sua maior parte pelas vendas de super e hipermercados, foodservice e perfumaria - apresentou queda real de 1,9% em maio.

Já o setor de bens semiduráveis, que inclui vestuário, calçados, livrarias e artigos esportivos teve crescimento de 1,7%.

O IDV também coleta junto a seus associados dados sobre as expectativas de vendas para este e os próximos meses.

O IAV-IDV (Índice Antecedente de Vendas) aponta crescimento real de 1,5% para junho, 1,8% para julho e 1,7% para agosto, sempre em relação aos mesmos períodos do ano anterior.

A expectativa para bens duráveis é de queda real de 0,4% em junho e crescimento real de 1,7% em julho e 2,4% em agosto.

No caso dos não duráveis, a expectativa é de um crescimento nas vendas de 0,4% em junho, mas de retração real de 0,8% em julho e 0,5% em agosto.

Para os semiduráveis, a estimativa de crescimento para junho é de 6,4% e de 7,3% em julho e 5,4% em agosto.

O IDV representa 65 empresas varejistas de diferentes setores. Entre os associados estão grandes grupos como Pão de Açúcar, Lojas Americanas, Magazine Luiza, Raia Drogasil, entre outros.

Foto: Thinkstock



É a primeira vez desde fevereiro de 2014 que o volume produzido em um mês supera o resultado alcançado em igual mês do ano anterior, de acordo com a Anfavea.

comentários

Estimativas da ACSP indicam redução de até 6% nas vendas. Para Marcel Solimeo, economista-chefe da entidade, a retomada lenta ainda não é visível devido à comparação com 2015

comentários

O setor registrou perda de 471 mil clientes, uma queda de 2,4% em outubro ante igual mês de 2015, segundo a Anatel

comentários