São Paulo, 29 de Março de 2017

/ Negócios

Vendas do comércio caíram 10,5% na primeira quinzena
Imprimir

É o que revela levantamento da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Feriado da Páscoa provocou esvaziamento das lojas. Contribuem para prolongar o efeito negativo a baixa confiança do consumidor, juros elevados e a desaceleração do crédito

As vendas do comércio paulistano caíram 10,5%, em média, na primeira quinzena de abril ante igual período de 2014, de acordo com o balanço de vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).  

A queda atingiu 10,2% nas vendas a prazo e 10,9% à vista. Na comparação com igual quinzena de março, sem nenhum feriado, a derrapagem foi ainda maior: 21,5% e 14,5%, respectivamente, o que resultou em desempenho médio 18% inferior.

“O feriado da Páscoa prejudicou fortemente o comércio, pois provocou o esvaziamento das lojas da capital paulista", afirma Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). "Já o mesmo período de 2014 não contou com esse feriado, que foi comemorado somente na segunda quinzena.”

Mas o feriado não foi a única razão que explica o resultado negativo. Também contribuíram o “tarifaço”, que reduz o poder de compra do consumidor, a alta dos juros e a desaceleração do crédito. 

Deve-se contabilizar ainda a insegurança no emprego, que vem derrubando os índices de confiança do consumidor, e os possíveis efeitos da terceirização, de acordo com Emilio Alfieri, economista da ACSP.

“Na venda à vista, a queda foi menor ainda sustentada pela massa salarial. Por outro lado, as vendas a prazo sofrem mais impacto da falta da confiança”, diz Alfieri

LEIA MAIS: Nem o Dia das Mães deve salvar as vendas no segundo trimestre

No ano passado, o período foi marcado pelas vendas de eletrodomésticos com IPI reduzido para presentear as mães, e de eletroeletrônicos, puxadas pela Copa do Mundo. “Mesmo com a eliminação do efeito-calendário, os números devem continuar bastante negativos ao longo de abril”, conclui o economista.

INADIMPLÊNCIA EM OBSERVAÇÃO

No Balanço de Vendas, os dados de inadimplência na primeira quinzena de abril ficaram em 5,5% ante igual período de março, mas registraram queda de 13,2% ante os primeiros quinze dias de abril do ano passado.

Os dados de recuperação de crédito, ou seja, de registros cancelados, ficaram em patamares semelhantes ao da inadimplência, com 4,4%, na comparação mensal, e -13,9% na comparação anual.

Segundo Alfieri, o resultado mostra de novo estabilidade dos indicadores, mas com leve propensão à alta – lembrando que o Balanço inclui apenas os registros de loja e carnês, mas não de outros meios de pagamento, como cartões de crédito.

“A queda nos indicadores de crédito se justifica pela desaceleração nas concessões. Mas é um dado que deve ser observado, já que as pessoas estão menos habilitadas a sair das listas do SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito da ACSP, administrado pela Boa Vista Serviços) porque sobra pouco dinheiro para negociação.”



Para os economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a diminuição das taxas praticadas pelos bancos precisa estar mais alinhada com as quedas da Selic

comentários

Segmento de autopeças foi o único a crescer (4,5%) em volume de vendas, de acordo com levantamento da Associação Comercial de São Paulo

comentários

A projeção é do Instituto de Economia da ACSP com base em dados do IBGE e do Índice Nacional de Confiança (INC), pesquisa mensal da Associação Comercial de São Paulo

comentários