São Paulo, 07 de Dezembro de 2016

/ Negócios

Venda do HSBC deve atrair bancos estrangeiros...
Imprimir

..,mas não altera o panorama competitivo do setor no Brasil, segundo a agência Fitch. Embora seja o sexto maior banco comercial do país, é responsável por apenas 3% dos depósitos

O plano do HSBC de vender sua operação no Brasil deve atrair grandes bancos que já operam no país, mas não deve mudar substancialmente o competitivo cenário do setor financeiro do país, avalia a agência de classificação de risco Fitch.

Em nota, a Fitch lembra que o HSBC, embora seja o sexto maior banco comercial do país, é responsável por apenas 3% dos depósitos, respondendo assim por uma participação de mercado muito modesta ante os cinco primeiros colocados.

A agência acredita que os três maiores bancos privados operando no país, Bradesco, Santander Brasil e Itaú, são os que têm as maiores chances de levar a operação.

"Assim como o HSBC, os três conquistam e retém seus clientes não apenas oferecendo contas bancárias e empréstimos, mas também cuidando de seus investimentos. Seus pacotes de produtos para clientes comerciais também são mais desenvolvidos do que em bancos privados nacionais menores", diz a Fitch.

Ainda de acordo com o agência, a venda do HSBC não deve atrair instituições financeiras sem presença no país, dado o perfil concentrado da indústria bancária brasileira, a posição dominante e competitiva dos cinco maiores bancos e o cenário adverso da economia local.

"Players regionais do Chile, México, Peru e Colômbia não apresentam o tamanho necessário para considerar a aquisição uma oportunidade", diz a Fitch, acrescentando que as maiores exigências do Basileia III também devem pesar sobre a avaliação de qualquer oferta.



Nos primeiros dias de dezembro, a taxa média foi de 13,6% - superior aos 13,56% registrados em novembro, de acordo com Procon-SP

comentários

Fabio Yamamoto, sócio da consultoria Tiex, diz ao Diário do Comércio Entrevista o que fazer antes de negociar com o gerente do banco ou potenciais sócios

comentários

Avaliação é do economista Eduardo Giannetti da Fonseca (foto), que prevê crescimento de 1,5% a 2% da economia brasileira em 2017

comentários