São Paulo, 28 de Junho de 2017

/ Negócios

Varejo paulistano registra alta de 1,2% na 1ª quinzena de abril
Imprimir

O resultado positivo foi puxado pelas vendas à vista. Segundo a Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a melhora da massa salarial estimulou o consumidor

A primeira quinzena de abril confirma a tendência de recuperação do varejo, ainda que de forma lenta. No período foi registrada alta de 1,2% nas vendas na cidade de São Paulo, na comparação com os quinze primeiro dias de abril de 2016.

A alta foi puxada pelas vendas à vista, que costumam ser de menor valor, que avançaram 3,6% na comparação interanual. Já as vendas a prazo recuaram 1,2%, resultando na média positiva de 1,2% na comparação entre os dois anos.

Na comparação mensal as vendas à vista também cresceram, avançando 2,2% frente ao resulto da primeira quinzena de março. Entretanto, as vendas a prazo, nesta mesma base de comparação, não foram boas, recuando 14,3%, o que fez a média na comparação mensal cair 6,2%.

Segundo Alencar Burti, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), o bom desempenho das vendas à vista reflete a melhora na massa salarial. 

“O resultado inspira confiança para o comércio neste momento, mas não pode ser projetado para todo o mês de abril. A alta nas vendas à vista está ancorada na estabilização da massa salarial. Isso, em conjunto com a base fraca do ano passado, permitiu que esse segmento crescesse. Além disso, o clima favoreceu a área de roupas e calçados e a Páscoa ajudou o ramo de supermercados”, diz Burti, que também está à frente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Os últimos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que em fevereiro o salário avançou 0,2% ante janeiro. A preocupação é com o emprego, que recuou 2% em igual comparação. 

Segundo Burti, o aumento nas vendas poderia ter sido mais significativo, visto que a primeira quinzena de abril de 2017 contou com um dia útil a menos sobre igual período de 2016.      

Em relação à retração das vendas a prazo, o presidente da ACSP diz que pode ser explicada pelos juros ao consumidor, que continuam elevados apesar de a taxa básica, a Selic, estar em uma sequência de quedas. “A perspectiva, porém, é que em algum momento do segundo semestre as vendas a crédito comecem a se recuperar”, diz Burti.

IMAGEM: Thinkstock



Apesar do avanço, a confiança do brasileiro, medida pela ACSP, ficou estável, registrando 68 pontos

comentários

Depende. Em primeiro lugar, o comerciante deve conhecer e calcular todos os custos envolvidos nas vendas realizadas em cada meio de pagamento

comentários

Este ano será marcado pela tentativa das cervejarias, mais do que nunca, "roubar" mercado das rivais

comentários