São Paulo, 07 de Dezembro de 2016

/ Negócios

Varejo estima que as vendas voltaram a crescer em março
Imprimir

O feriado de Carnaval reduziu o número de dias úteis e freou as vendas em fevereiro. A expectativa é de que o crescimento real atingirá 6,36% até o final deste mês

Com mais dias úteis, o mês de março deve puxar a recuperação das vendas do varejo, segundo projeções do IDV (Instituto de Desenvolvimento do Varejo).

O indicador de expectativas dos associados da entidade para os próximos três meses, o IAV-IDV (Índice Antecedente de Vendas), projeta um crescimento real de 6,36% em março na comparação com o mesmo mês de 2014.

Para abril e maio as projeções de crescimento são de 7,57% e 5,98%, respectivamente.

Uma das hipóteses é que os associados mantiveram os seus orçamentos, apesar do cenário macroeconômico deteriorado.

Outro motivo que sustenta melhor estimativa em março é que o resultado mensal não será influenciado pelo efeito-calendário, ou seja, pelo menor número de dias úteis no mês devido ao feriado carnavalesco. Foi o que acabou prejudicando as vendas em fevereiro.

No mês passado, houve queda real no faturamento de 2,2% ante igual mês de 2014. O crescimento real projetado pelo IDV alcançava 3,2% em fevereiro. 

A expectativa para o primeiro trimestre deste ano é de haverá um aumento real das vendas de 1,8% --o menor percentual dos últimos três anos. Isso devido à mudança de cenário econômico, com a redução da renda real das famílias e a queda relevante na confiança dos consumidores. 

O menor resultado para o primeiro trimestre foi de crescimento de 2,2% em 2013. 

PROJEÇÃO POR SEGMENTOS 

O segmento de bens não duráveis, que responde em sua maior parte pelas vendas de supermercados e hipermercados, foodservice e perfumaria, apresentou queda de 3,43% nas vendas em fevereiro, na comparação com o mesmo mês de 2014. 

Para março, a expectativa é de uma recuperação nas vendas, com crescimento de 5,3%. Já para abril, a previsão de aumento é de 11,2%, e em maio, 9,5%.

O setor de bens semiduráveis, que inclui vestuário, calçados, livrarias e artigos esportivos, cresceu 4,7% em fevereiro. O segmento tem estimativa de crescimento para março de 8,8%, de 8,4% para abril e de 6,13% para maio.

Para o segmento de bens duráveis, os associados do IDV divulgaram resultado real de queda de 5,9% em fevereiro. Para março, a expectativa de crescimento é de 6,3%. Para abril, elevação de 5,8% e de 4,74% em maio.

 



É a primeira vez desde fevereiro de 2014 que o volume produzido em um mês supera o resultado alcançado em igual mês do ano anterior, de acordo com a Anfavea.

comentários

Estimativas da ACSP indicam redução de até 6% nas vendas. Para Marcel Solimeo, economista-chefe da entidade, a retomada lenta ainda não é visível devido à comparação com 2015

comentários

No total, mais de 2 milhões de empreendedores receberam orientação para os negócios em 2016

comentários