São Paulo, 03 de Dezembro de 2016

/ Negócios

Renault prevê queda de vendas de automóveis no Brasil
Imprimir

O brasileiro Carlos Ghosn, presidente mundial da montadora francesa, anuncia cortes de custos até que a economia dos mercados emergentes se recupere

As vendas de veículos no Brasil continuarão em queda neste ano, prevê a francesa Renault. Quinta colocada entre as montadoras que operam no país, a Renault projeta queda de vendas de um dígito no Brasil em 2015.

Ao apresentar os resultados do ano passado, o brasileiro Carlos Ghosn, presidente mundial da Renault, reconheceu o cenário desafiador nos mercados emergentes. Três países foram destacados negativamente: Brasil, Argentina e Rússia. Em 2014, as vendas caíram 7% no mercado brasileiro, 28% na filial argentina e 11% na subsidiária russa. Para 2015, a aposta é de queda "de um dígito" nos dois países sul-americanos e entre 20% e 30% na Rússia. Na média global, ao contrário, as vendas devem crescer 2% este ano.

Ghosn disse que alguns países em desenvolvimento enfrentam quadro complexo diante "da situação muita incerta dos mercados e do câmbio". Segundo afirmou, a Renault continua comprometida em reduzir custos para "manter a lucratividade das filiais" emergentes.

Essa disciplina para manter os resultados deverá acontecer enquanto a empresa tenta ajustar a linha de produtos para minimizar perdas. Nos emergentes, a estratégia passa por lançar modelos mais baratos - no segmento de veículos de entrada -e, no Brasil, a Renault também aposta fichas na nova pick-up Duster Oroch apresentada no Salão do Automóvel de São Paulo.

PICK-UP DUSTER, LANÇADA NO SALÃO DO AUTOMÓVEL

 

O presidente da montadora francesa também lembrou que mercados emergentes costumam ter quedas expressivas em situação de crise, mas reagem rápido quando a situação melhora. Por isso, defende que é importante reduzir custos e elevar a produtividade para que a empresa esteja preparada para quando a situação econômica melhorar
 

 



O avanço do último mês ainda não conseguiu compensar a queda acumulada no ano, de 8,74%

comentários

Recuperação somente será efetiva mediante o ajuste das contas públicas e continuidade da redução da taxa de juros pelo Banco Central

comentários

Para Murilo Ferreira, presidente da Vale, além de ter de resolver suas próprias questões internas, país pode sofrer mais com as consequências da globalização

comentários