São Paulo, 06 de Dezembro de 2016

/ Negócios

Redes de eletrodomésticos reduzem os juros para incentivar consumo
Imprimir

Lojas Cem e Cybelar, com forte presença no interior, lançam campanhas promocionais, com taxas abaixo de 2% para cliente que compra no crediário

Orçamento apertado, inflação em alta, juros cada vez maiores e ameaça de desemprego. Como atrair clientes para dentro das loja em um cenário desses? E se o comércio for especializado em móveis e eletrodomésticos, justamente um dos setores que mais sentiram os efeitos da crise?

Veja o tamanho do tombo do setor. No primeiro bimestre deste ano, o volume de vendas do comércio brasileiro caiu 1,2% sobre igual período de 2014. No caso de móveis e eletrodomésticos, a queda foi ainda maior: de 6,6% no período, segundo o IBGE.

“Não tem muito jeito. O varejo precisa criar condições para que o cliente sinta que vale a pena comprar mesmo neste ambiente mais arisco. E isso se faz com ações promocionais”, diz Eduardo Terra, presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).

Com faturamento anual de R$ 5 bilhões e 226 lojas no interior de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio de Janeiro, a Lojas Cem já colocou a orientação de Terra em prática.

A rede selecionou alguns produtos que podem ser pagos em até quatro meses sem juros. Caso o cliente queira parcelar mais, até dez prestações, os juros vão de 0,94% a 1,96% ao mês. “São taxas de pai para filho”, afirma José Domingos Alves, supervisor-geral da Lojas Cem.

A concorrente Cybelar, com receita anual de R$ 800 milhões e 140 lojas no interior de São Paulo e Sul de Minas, lançou uma campanha similar. Os  juros cobrados do cliente foram reduzidos para 1,99% ao mês. As taxas mensais cobradas pela rede variam, normalmente, de 3% a 6%.

“O consumidor tem mais dificuldade para comprar. É preciso criar facilidades”, afirma Ubirajara Pasquotto, presidente da Cybelar, que financia a compra do cliente em até 14 meses.

Em períodos mais recessivos, a política de descontos para pagamento à vista pode não funcionar, principalmente no caso de bens mais caros, como é o caso de eletroeletrônicos.

“As ações mais focadas em juros menores e prazos mais longos são as que mais funcionam em períodos como este. A prestação precisa caber no orçamento. Os descontos, às vezes, não interessam para o consumidor”, diz Terra.

Veja nesta simulação a diferença de preço no valor da prestação no caso de um produto que custa R$ 1.000 para ser pago em dez meses, com taxa de juros mensal de 4,5% e de 1,99%.

Com juros de 4,5% ao mês, a prestação é de R$ 126,38. Com juros de 1,99%, de R$ 111,27. A diferença, portanto, é de R$ 15,11 ao mês ou de R$ 150,10 em dez meses.

“A redução de juros sempre atrai o consumidor. Mas o melhor mesmo para ele, neste momento de crise, é o alongamento dos prazos”, diz Emílio Alfieri, economista da ACSP.

Considerando o mesmo produto no valor de R$ 1.000, agora para pagamento em 18 meses, com taxa de juros de 4,5% ao mês, o valor da prestação é de R$ 82,24, menor, portanto que a de R$ 111,27, que embute um juro menor, de 1,99% ao mês.

Mas, atenção: “Esticar prazos de financiamento pode ser também arriscado. A taxa Selic está subindo (13,25% ao ano) e, quanto mais o juro sobe, mas a economia desacelera. É um momento em que o lojista precisa ter muita cautela, fazer conta”, diz Alfieri.

LEIA MAISAlerta aos lojistas: as dívidas dos inadimplentes estão crescendo

Habituada com faturamento nominal que cresce, em média, 20% ao ano, a Lojas Cem viu a receita saltar apenas 5% no primeiro trimestre deste ano em relação a igual período do ano passado. Descontada a inflação, portanto, as vendas encolheram no período.

PASQUOTTO, DA CYBELAR: "BALDE DE ÁGUA GELADA"

 

Na Cybelar não foi diferente. “Terminamos o ano passado com expectativa de crescer neste começo de ano, mas o resultado do período foi como receber um balde de água gelada na cabeça”, diz Pasquotto.

As duas redes têm a expectativa de que o consumo deve melhorar a partir do segundo semestre. Tanto é que  vão manter os planos de investimentos programados para este ano.

A Lojas Cem vai investir cerca de R$ 70 milhões para abertura de 12 lojas. A Cybelar planeja inaugurar 15 pontos-de-veda ao longo de 2015. O investimento em cada loja consome de R$ 5 milhões a R$ 6 milhões.

LEIA MAIS: Expansão? Só no interior (que é para o cliente se sentir em casa)



"Risco palpável de que não ocorra uma retomada oportuna da atividade econômica deve permitir intensificação do ritmo de flexibilização monetária", afirma ata do Copom

comentários

Estimativas da ACSP indicam redução de até 6% nas vendas. Para Marcel Solimeo, economista-chefe da entidade, a retomada lenta ainda não é visível devido à comparação com 2015

comentários

Estudo do Sebrae demonstra a importância do setor para a economia. A produção de cinema, TV, publicidade e mídias digitais movimenta R$ 42,7 bilhões e gera 100 mil empregos diretos e 107,6 mil indiretos

comentários