Negócios

Pequenas empresas empregam 43,7 mil pessoas em julho


Desempenho positivo se repete pelo quarto mês consecutivo. Em 2017, resultado chega a 264 mil postos de trabalho


  Por Agência Sebrae 18 de Agosto de 2017 às 19:30

  | Informações do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena empresa


As micro e pequenas empresas fecharam o quarto mês consecutivo sustentando a geração de emprego no país.

Em julho, os pequenos negócios criaram 43,7 mil novos postos de trabalho, enquanto as médias e grandes empresas fecharam 6,8 mil vagas.

No saldo total do mês, foram criados 35,9 mil empregos no país, graças aos micro e pequenos empreendedores.

Os números fazem parte de uma análise feita por técnicos do Sebrae a partir dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), fornecidos pelo Ministério do Trabalho.

“Eu digo e repito: os pequenos negócios são a locomotiva que puxam o país, mesmo em um período prolongado de crise. Apesar das dificuldades com o crédito e dos entraves burocráticos, eles geraram mais de 200 mil empregos em 2017. Imagina se tivessem mais apoio?”, diz o presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos.

 Desde janeiro, o saldo acumulado pelas micro e pequenas empresas é de 264,3 mil empregos gerados, contra 169,2 mil postos de trabalho extintos nas médias e grandes empresas.

Em relação a junho deste ano, desconsideradas as declarações fora do prazo, o crescimento observado no saldo de empregos gerados pelas micro e pequenas empresas foi de 22%.

O desempenho delas contrasta ainda mais se comparado a julho de 2016, quando registraram um déficit de 15,8 mil vagas.

Puxaram a geração de empregos, em julho último, os pequenos negócios do setor de Serviços, com a criação líquida de 18 mil postos de trabalho, seguidos pelo Comércio, responsável por 10,3 mil novas vagas.

Chama atenção a demonstração de recuperação das micro e pequenas empresas da Construção Civil, que criaram 7,6 mil postos de trabalho no mês passado, na contramão das médias e grandes, que fecharam quase 7 mil vagas.   

FOTO: Thinkstock