São Paulo, 24 de Janeiro de 2017

/ Negócios

Nada de crise: Renner vai abrir 30 novas lojas
Imprimir

Plano de expansão será mantido neste ano de economia fraca e inclui a abertura de 10 lojas da Camicado e 10 da Youcom


O presidente da Lojas Renner, José Galló, afirmou na tarde desta segunda-feira (08/06), que o plano de expansão da companhia está mantido, apesar do cenário de desaquecimento pelo qual passa a economia brasileira. 

Segundo ele, neste ano o objetivo é abrir 30 novas lojas da Renner, dez da Camicado e outras dez da Youcom (voltada à moda jovem). 

Os números são os mesmos citados pela empresa em teleconferência com analistas no mês de abril, ao comentar o balanço relativo ao primeiro trimestre de 2015. 

"Não pode parar, (a expansão) faz parte de um plano de longo prazo", disse antes de participar do Fórum dos Grandes Debates, promovido pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, na capital gaúcha. 

Ele também destacou a construção do novo centro de distribuição do grupo em Santa Catarina, com área de 50 mil metros quadrados e "totalmente automatizado". Com investimento na ordem de R$ 100 milhões, o complexo deve ser inaugurado em dois meses, de acordo com Galló. 

LEIA MAIS: Apesar da crise, Riachuelo vai inaugurar mais 40 lojas em 2015

O presidente da Renner acredita que a empresa continua apresentando desempenho positivo, acima da média do setor, devido ao seu diferencial competitivo. 

No que se refere ao quadro geral da economia brasileira, ele aposta numa recuperação lenta. "Nós temos toda esta questão da Petrobras (dos casos de corrupção envolvendo a companhia), que já se expandiu para a cadeia, isso é visível, mas não acabou o processo ainda. Acho que ele vai se estender por mais um tempo", afirmou. 

"Além disso, tem toda essa questão das investigações, ainda há muita coisa a fazer, quem sabe outras entidades vão entrar, isso tudo vai criando um ambiente não favorável aos negócios." 

Para Galló, existe a expectativa de um Produto Interno Bruto (PIB) negativo de 1,5% em 2015 e, em 2016, positivo de 0,5% ou mesmo zero. "Vamos começar alguma luz no fim do túnel em 2017, se tudo der certo", falou.
 



O setor com maior queda foi o de tecidos, vestuário e calçados, que recuou 9,2%, seguido pelo de combustíveis e lubrificantes que teve queda de 5,6%

comentários

Mesmo entre os endividados, aplicar o dinheiro foi a resposta de 43,8% dos participantes ante 37% que vão priorizar o pagamento de débitos, revela pesquisa

comentários

Após anos de quedas de vendas, David Legher, presidente da filial brasileira da americana Avon, principal mercado da companhia no exterior, anuncia recuperação

comentários