São Paulo, 23 de Fevereiro de 2017

/ Negócios

Movimento do comércio tem maior queda em 16 anos
Imprimir

Dificuldades enfrentadas pelos consumidores, como juros altos nos crediários, desemprego em alta e baixa na confiança, afetaram a atividade varejista

O movimento dos consumidores nas lojas de todo o país caiu 6,6% no ano de 2016 em relação ao ano de 2015, de acordo com o Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio. 

Este foi o pior resultado do varejo desde o início do levantamento, realizado há 16 anos.

O pior resultado tinha sido em 2002, por causa da crise do racionamento de energia elétrica, quando houve recuo de 4,9%. 

Os economistas da Serasa explicam que as dificuldades enfrentadas pelos consumidores, como juros altos nos crediários, desemprego em alta e baixa na confiança, impactaram negativamente a atividade varejista.

A maior retração foi no segmento de veículos, motos e peças, cuja queda foi de 13% frente ao mesmo período do ano passado. 

A segunda maior queda foi de 12,6%, observada nas lojas de tecidos, vestuário, calçados e acessórios. Houve recuo de 11,1% nas lojas de móveis, eletroeletrônicos e equipamentos de informática.

Retrações menores ocorreram nas lojas de material de construção (-5,4%) e nos supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas (-7,0%). 

Somente o segmento de combustíveis e lubrificantes se manteve no terreno positivo, com alta de 1,8%.

FOTO: Thinkstock



Enquanto alguns esperam o ano todo pela data, outros fecham as portas durante a folia de quase 500 blocos. Comércio especializado viu crescimento de 30% nas vendas

comentários

Estima-se que o acordo reduza os custos das operações comerciais em 14,3% em média. Do total de comércio, US$ 730 bilhões serão gerados em países em desenvolvimento

comentários

No acumulado entre 2014 e 2016, houve aumento de 38,4% nos calotes

comentários