São Paulo, 22 de Maio de 2017

/ Negócios

Mercado de imóveis crescerá até 10% em 2017
Imprimir

Previsão do Secovi para São Paulo está baseada na trajetória de queda da inflação e da taxa de juros. Vendas na capital tiveram recuo de 19,7% em 2016

O presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Flávio Amary, reiterou nesta terça-feira (14/3), a projeção de crescimento de 5% a 10% nas vendas e nos lançamentos do mercado imobiliário residencial da capital paulista em 2017.

"Estamos no fim de um ciclo de baixa e iniciando um ciclo de recuperação", diz.

A perspectiva de crescimento neste ano já vinha sendo citada pelo sindicato desde o fim de 2016, em meio aos primeiros sinais de melhora do quadro econômico nacional e estabilização política.

De acordo com Amary, esse ambiente de melhora tem se confirmado, com manutenção na trajetória de queda da inflação e da taxa de juros, elementos que devem estimular a comercialização de imóveis daqui para frente.

Por outro lado, ele destacou que o setor só voltará a reaquecer, de fato, com a volta da criação de empregos e a recuperação da renda da população, o que é esperado apenas para o segundo semestre deste ano.

Se a projeção de crescimento do mercado imobiliário em 2017 for confirmada, representará uma virada para o setor, que diminuiu de tamanho por três anos consecutivos.

Conforme os dados publicados pelo Secovi-SP, os lançamentos de imóveis residenciais em São Paulo somaram 17,6 mil unidades em 2016, queda de 23,3% em relação às 23,0 mil unidades de 2015. Em 2014, os lançamentos atingiram 34,0 mil unidades, e em 2013, 34,2 mil.

Já as vendas de imóveis residenciais novos na capital paulista totalizaram 16,0 mil unidades em 2016, retração de 19,7% frente às 20,1 mil unidades comercializadas em 2015. Em 2014, as vendas somaram 21,6 mil unidades, e em 2013, 33,3 mil. Com esse resultado, as vendas em 2016 foram as mais baixas da série histórica, com início em 2004.

O economista-chefe do Secovi-SP, Celso Petrucci, observou que os níveis de comercialização chegaram a um nível muito abaixo da média, o que indica que há uma grande demanda reprimida.

"É justamente essa demanda que voltará a reaquecer o mercado em algum momento futuro".

Petrucci acrescentou que o sindicato cogita elevar, em junho, a projeção de crescimento no mercado imobiliário ao longo do ano, dependendo do ritmo de recuperação da economia brasileira, mas frisou que não espera nova retração no setor.

"Nos meses anteriores, nós considerávamos a possibilidade de rever essa projeção para baixo, dado o nível elevado de incertezas. Agora, se mudarmos a projeção, é mais provável que seja para cima. Seguramente, o fundo do poço foi o ano passado."

*FOTO: Thinkstock



Trata-se do terceiro mês seguido de alta, de acordo com o Secovi-SP. Em março, foram comercializadas 1.233 unidades residenciais

comentários

As vendas à vista, principalmente de vestuário, sustentaram as comercializações ao longo da primeira quinzena de maio

comentários

Para a equipe de economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), a retomada das vendas vai acontecer com a continuidade das quedas dos juros

comentários