São Paulo, 30 de Setembro de 2016

/ Negócios

Jovens, estudados e solteiros: conheça o perfil de quem compra imóveis em São Paulo
Imprimir

Segundo estudo realizado pela Lopes, maior grupo imobiliário do País, o comprador tem idade média de 33 anos e prioriza localização a espaço

Os compradores de imóveis residenciais novos na região metropolitana de São Paulo são cada vez mais jovens, têm alto grau de escolaridade, são solteiros e têm filhos.

Segundo estudo realizado pela área de Inteligência de Mercado da Lopes, maior grupo imobiliário do País, o comprador potencial tem idade média de 33 anos, prioriza localização a espaço, desafiando incorporadoras a oferecer produtos compactos, funcionais e que prezem por mobilidade.

Um dos desafios das incorporadoras é se adequar a esse novo perfil ingressante no mercado imobiliário. "Antes, o comprador médio estava na faixa dos 40 anos e pertencia à classe média alta", diz Mirella Parpinelle, diretora de atendimento da Lopes.

"Esse cliente de 33 anos entrou no mercado depois da ascensão econômica, comprando um imóvel específico que oferecemos para ele: pequeno, compacto e bem localizado."

De acordo com a pesquisa, 76% dos compradores paulistas possuem alto grau de escolaridade, 56% são solteiros e 52% têm filhos. A renda média mensal é de R$ 8.390, sendo que 41% ganham acima de R$ 10 mil.

O imóvel novo é financiado por 89% dos compradores, que, por sua vez, comprometem 31% de sua renda. A localização é primordial na decisão de compra para 43% da amostra de paulistanos. "Ele aceita se movimentar para perto do trabalho ou regiões de fácil acesso, mesmo que tenha de ir para uma metragem menor por causa disso", diz Mirella.

Ela aponta também que há um descasamento entre o tipo de imóvel que o comprador almeja e o que de fato compra. Esse jovem sai, em média, de um imóvel de 90 metros quadrados, sendo que 42% moram com pais ou familiares.

Acabam escolhendo um imóvel de 62 metros quadrados - embora almejasse uma área de 72 metros quadrados em média, segundo dados da Lopes de março deste ano. A busca por um imóvel dura em média 4 meses.