São Paulo, 26 de Setembro de 2016

/ Negócios

Empreender em meio à crise pode ser mesmo um bom negócio?
Imprimir

Muitos profissionais enxergam nas franquias uma oportunidade para gerar renda, mesmo em um cenário recessivo. Mas é preciso ter cuidado para não correr riscos

Após 18 anos como empregado, João Paulo vai usar o dinheiro da rescisão para diversificar “na vida”. O casal Frugis, por sua vez, busca uma segunda fonte de renda, já que um dos cônjuges está há cinco anos fora do mercado de trabalho.

O autônomo Alexei decidiu usar sua “antiga reserva para eventuais problemas” para investir em uma nova oportunidade de ganhar dinheiro. Já as irmãs Aline e Brunella querem ampliar os negócios para se tornar “um ponto fora da curva”  da recessão. 

Um público de perfis diversificados -mas no fundo, com o mesmo objetivo – lotou os corredores da Expo Center Norte na última edição da 24ª ABF Franchising Expo. Realizada na última semana de junho na capital paulista, a feira recebeu mais de 64 mil visitantes e contou com 480 marcas expositoras nacionais e internacionais.

É fácil entender a razão. O segmento de franquias, que prevê repetir o crescimento de 7,7% em 2015, tem sido um dos mais procurados para investir e gerar renda neste complicado cenário econômico. De acordo com o levantamento recente da Endeavor Brasil, três de cada quatro profissionais entrevistados dizem que preferem empreender.

CORREDORES LOTADOS DE POTENCIAIS EMPREENDEDORES NA EXPO/FOTO: STUDIO F

"O franchising oferece oportunidades de expansão, com produtos atraentes e formatos que facilitam essa opção para pessoas que querem realizar o velho sonho de ter o negócio próprio", afirma Juarez de Paula, gerente de varejo do Sebrae Nacional. “O suporte de uma franqueadora reduz os riscos para quem investe a poupança de uma vida inteira para se tornar empreendedor”, diz.

“Esse é o plano B em um cenário de retração mais profunda, a exemplo do que ocorreu em crises anteriores", diz Cristina Franco, presidente da ABF (Associação Brasileira de Franchising).  

Mas há uma diferença entre empreender e franquear. O especialista Marcus Rizzo, sócio da Rizzo Franchise, afirma que, no primeiro caso, monta-se o próprio negócio. No segundo, busca-se um negócio pronto.

“Aqui, paga-se taxa de franquia para absorver o know-how de quem já fez, errou e agora vende os acertos", diz.  Ou seja, antes de mais nada, é preciso avaliar em qual perfil você se encaixa.

O SONHO DE CADA UM 

Na mesma empresa desde os 17 anos, o analista financeiro João Paulo de Faria, 35, demitiu-se há um mês. Acompanhado do amigo e futuro sócio, o advogado Leandro Prestes, Faria se interessou por franquias voltadas ao público infantil, como roupas ou máquinas de brinquedos da Mr.Kids, daquele formato estabelecido em supermercados e postos de gasolina. 

“Sempre tive o sonho de empreender, só não tinha coragem. Mas precisava ‘diversificar na vida’, então decidi usar a recisão para investir em franquias. Me pareceu o melhor negócio, pois já nasce forte”, acredita. 

Prestes, que decidiu embarcar no sonho do amigo, concorda:  “Franquia é um negócio consolidado, muitas marcas se vendem por si. Em um cenário econômico duvidoso, permite apostar em nossa força de trabalho para continuar a ganhar dinheiro.” 

Mesmo sem interesse específico por algum segmento, o casal de advogados Ana Paula e Antônio Carlos Frugis andava pela ABF Expo à procura de uma segunda fonte de renda. Com gêmeos de cinco anos, a advogada havia deixado a antiga empresa após 12 anos para cuidar dos filhos. 

Quando saiu, guardou o dinheiro para futuro investimento. Agora, o casal decidiu que era hora de usá-lo.“Se ela voltar para o mercado, não terá uma remuneração compatível com sua experiência. Melhor arriscar assim”, afirma Antônio Carlos, hoje sócio de uma empresa de advocacia. 

Ana Paula diz que está à procura de algo promissor, mas com menor risco. “Sempre tive sonho de empreender. Mas com a crise, é interessante ter uma estrutura por trás.”  

Ana Vecchi, diretora da Vecchi Ancona Consultoria, afirma que, por duas vezes em que o mercado parou por conta de crises, nos anos 90 e após 2008, houve um grande crescimento do franchising.

Isso porque, muitos profissionais com bom histórico de carreira apostaram no sistema por refletir menor risco. Além disso, esses analistas e executivos podem agregar sua experiência ao negócio. 

“É necessário ressaltar, porém, que se a transferência de know how possibilita o sucesso, por si não o garante. É preciso aprender a operar o negócio para adquirir experiência em um setor onde se pode ou não tê-la”, afirma. 

UM INVESTIMENTO PARA SEMPRE?

Mas há quem tenha acumulado experiência em setores específicos, apesar de novato no franchising – caso das irmãs cariocas Brunella e Aline Moraes.

Ambas operam uma pequena empresa de terceirização de serviços há nove anos e atendem clientes do porte da Petrobras, Eletronuclear e condomínios residenciais. Mas, após a PEC das domésticas, passaram a ser procuradas por clientes atrás de limpeza domiciliar.

Então, decidiram diversificar. Na feira da ABF, se candidataram a uma microfranquia da rede Maria Brasileira – investimento de cerca de R$ 30 mil que deve dar um retorno “enorme” por profissionalizar o serviço, segundo Aline. 

“A atividade não tem glamour, mas é um serviço essencial. Então somos vistos como referência. Limpeza não tem crise, e vamos ampliar o negócio para sair da curva da recessão.” 

Outro exemplo é o autônomo Alexei Stuani, consultor imobiliário em uma grande incorporadora que também enxergou no franchising uma maneira de contar com uma segunda fonte de renda. Com a crise, decidiu investir a reserva que tinha feito para um eventual problema “para investir em uma oportunidade.” 

Sua experiência anterior como professor de eletroeletrônica no Senai fez com que se identificasse com a Concretta, franquia de ensino profissionalizante em construção civil, à qual se candidatou. Se identificou tanto, que nem a queda da atividade no setor o fez desistir do sonho.  

Se há crise num ponto, em outros não há. Riqueza troca de mão, e o meu potencial cliente pode ser aquele profissional que quer se qualificar para voltar o mercado quando a crise passar”, afirma.  

DICAS SOBRE NEGÓCIOS E CAPACITAÇÃO FORAM ALGUNS DOS MOTES DA EXPO/FOTO: STUDIO F

Lembrando que franquia não elimina os riscos, mas apenas os reduz, Marcus Rizzo afirma que é preciso ter cuidados na hora de investir a tal “poupança de uma vida inteira” ou de não poder errar no investimento - principalmente em tempos de recessão.

Segundo ele, 64% das redes franqueadoras apenas vendem produtos para franqueados, 43% não têm unidades próprias e 34% têm zero de experiência quando lançam uma franquia. 

“Converse com atuais e ex franqueados para avaliar se o que te oferecem é verdadeiro. Seja um investimento de R$ 1 mil ou R$ 1 milhão, é preciso se identificar com o negócio, senão vai dar errado, não importa se o mercado está em alta ou em baixa”, dá a dica. 

GAME EDUCA PARA OS NEGÓCIOS

Se das formas de ter uma trajetória de sucesso em qualquer tipo de negócio é através da capacitação, a ABF e o Sebrae Nacional resolveram se unir para facilitar a entrada de empreendedores ou reciclar os que já são empresários do setor dessa forma

Com projeto “Franquias Brasil”, lançado em fevereiro último, as duas instituições já capacitaram mais de 2 mil alunos em 51 municípios espalhados pelo país. Até 2016, serão oferecidos 337 cursos “Entendendo Franchising” em 120 cidades que, além dos conceitos, abordam aspectos legais e vantagens e desvantagens do sistema. 

Mas a grande novidade lançada na ABF Expo é o game Franquias Brasil. Composto por seis jogos online, o viral ensina a simular o dia da gestão de uma franquia.  

O game é gratuito, e pode ser acessado junto com a programação de cursos no site da ABF ou do Sebrae, e está disponível também para sistemas iOS e Android (para smartphones e tablets).

A ideia é levar capacitação com capilaridade para todo o Brasil. “A abertura de uma franquia pode envolver menos risco, mas mesmo assim os empresários precisam de apoio para fazer a gestão correta da empresa”, diz Juarez de Paula, do Sebrae. 

Cristina Franco, presidente da ABF, afirma que as duas iniciativas – principalmente o game de educação à distância – ajudarão a atingir um volume de capacitação sem precedentes para  disseminar as boas práticas do franchising. “Nossa meta é capacitar 10 mil pessoas em 2015”, finaliza.  

Arte e montagem fotográfica: Will Chaussé



Isso explica porque, nos dois últimos anos de crise, a fatia de novos produtos no total do faturamento de uma cesta com 96 itens dobrou

comentários

Atacadão (foto), do Carrefour e Assaí, do Pão de Açúcar são agora os principais canais de vendas das duas maiores redes do varejo do país. O que explica isso é a queda de poder aquisitivo da população

comentários

As vendas cresceram na comparação com julho, mas o resultado do ano ainda é ruim, uma queda acumulada de 10.2%

comentários