São Paulo, 28 de Maio de 2017

/ Negócios

Dia das Mães traz alívio ao varejo paulistano
Imprimir

As vendas à vista, principalmente de vestuário, sustentaram as comercializações ao longo da primeira quinzena de maio

As vendas do Dia das Mães deram um respiro para o varejo da cidade de São Paulo, de acordo com levantamento da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A data comemorativa contribuiu para que o comércio fechasse a primeira quinzena de maio com alta de 1,25% na comparação com igual período do ano passado.

O destaque, como previam as pesquisas realizadas pelo Instituto Ipsos a pedido da ACSP, foram as vendas à vistas, que em igual comparação cresceram 4,7%. Esse tipo de venda costuma ser de menor valor e geralmente reflete compras de vestuários, os itens que mais apareceram nas pesquisas de intenções de compra para o Dia das Mães. 

Já as compras feitas a prazo, também na comparação  entre a primeira quinzena deste ano com a de 2016, recuaram 2,2%. A média das vendas à vista e a prazo resulta na alta de 1,25%.

As vendas a prazo costumam ser mais dependentes da renda e do otimismo do consumidor, que estão em patamares baixos. Mesmo na comparação com a primeira quinzena de abril, esse tipo de comercialização se mostrou fraca, com leve alta de 0,1%.

Já as vendas à vista, na comparação com os quinze primeiros dias de abril, avançaram 40,1%, alta sazonal impulsionada pela data comemorativa. Nessa comparação, a média entre as vendas a prazo e à vista resulta em alta de 20,1%, abaixo da média registrada nos últimos três anos, de 28%.

Para Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), o resultado da primeira quinzena de maio aponta para melhora gradual das vendas do varejo, que ainda dependem do barateamento do crédito para o consumidor para engrenarem. 

“Insistimos em que o Banco Central promova cortes mais agressivos na Selic, para que a baixa dos juros seja repassada o quanto antes para o consumidor. Só assim ele ficará mais confiante e estimulado a adquirir produtos de maior valor”, diz Burti.

“O resultado da primeira quinzena de maio é muito bem-vindo e deve ser comemorado, visto que é uma das datas mais importantes para os lojistas", afirma Burti, que diz ser provável que maio feche com resultado positivo, mas pondera que é preciso cautela porque a segunda quinzena não será de vendas fortes. Normalmente, explica o presidente da ACSP, depois de datas comemorativas as vendas despencam. 

IMAGEM: Thinkstock



É o que revela o Índice Nacional de Confiança (INC) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), na análise do período entre janeiro e maio. Desemprego ainda é principal fator

comentários

Economistas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) analisam a gestão do governo federal no Boletim de Conjuntura

comentários

Após dois anos de queda, as vendas do varejo para a segunda data comemorativa mais importante para o setor cresceram 1,6%, de acordo com a Boa Vista SCPC

comentários