São Paulo, 29 de Abril de 2017

/ Negócios

Custo industrial cresce 0,1% no último trimestre de 2016
Imprimir

Na comparação com igual período de 2015 houve queda de 0,2%, de acordo com a CNI

Os custos industriais permaneceram estáveis no país no último trimestre do ano passado enquanto os preços dos produtos voltaram a crescer, de acordo com levantamento divulgado, nesta quinta-feira (20/04), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

O indicador de custos subiu 0,1% de outubro a dezembro de 2016, na comparação com os três meses anteriores. No mesmo período, o preço dos bens fabricados no país aumentou 0,5%.

Pelo quinto trimestre consecutivo, as companhias recuperaram lucratividade, o que não acontecia desde 2010.

A indústria nacional também teve ganho de competitividade em relação aos produtos manufaturados importados, cujos preços em reais aumentaram 0,6% no último trimestre de 2016.

Considerando apenas os bens fabricados nos Estados Unidos, o aumento de preço foi de 1,8%, no período.

Devido à valorização do real em relação ao dólar, a recuperação no fim de 2016 não foi suficiente para compensar a perda de competitividade ao longo do ano.

Na comparação com o último trimestre de 2015, os custos industriais no país caíram 0,2%, mas o preços dos produtos importados recuaram 19,4%.

COMPONENTES

Dentre as variáveis que formam o indicador principal de custos para o setor, a maior variação no último trimestre de 2016 ocorreu no custo de capital de giro, que caiu 5,4%, acompanhando a redução das taxas de juros cobradas pelos bancos. O custo tributário já caiu 1% no período.

O índice de custo de produção subiu 0,5% por conta de aumentos nos custos com pessoal (1,1%), energia (0,4%) e bens intermediários (0,3%).

LEIA MAIS: Vale do Paraíba deu o maior salto em empresas exportadoras

Foto: Thinkstock



O índice de nível de atividade da CNI avançou 4,2 pontos frente a fevereiro, mas permanece abaixo dos 50 pontos, o que sinaliza queda

comentários

Setor interrompeu uma série consecutiva de sete trimestres de recuo na produção fabril, de acordo com a Fiesp. Em 2016, o recuo foi de 2,4%

comentários

O índice que mede a evolução da produção ficou em 54,8 pontos em março, um aumento de 10,4 pontos em relação ao registrado em fevereiro, de acordo com a CNI

comentários