Negócios

Consumo alavanca atividade da indústria em julho


O efeito da liberação dos recursos de contas inativas do FGTS, os juros menores, inflação em queda e a demanda externa aquecida, contribuíram para o crescimento de 3,2%, de acordo com a Fiesp


  Por Agência Brasil 31 de Agosto de 2017 às 12:59

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


O nível de atividade da indústria paulista avançou 1% em julho na comparação com o mês anterior, contabilizado o ajuste sazonal.

Sem o ajuste, o resultado é de 3,2% em julho ante junho e na comparação com junho do ano passado é de 0,4%. No acumulado do ano, houve queda de 3,1%.

Os dados fazem parte do Indicador de Nível de Atividade (INA) divulgado nesta quinta-feira (31/08) pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

De acordo com a entidade, o avanço foi influenciado pelas vendas reais, que subiram 4,3%, seguidas por número de horas trabalhadas na produção (0,7%) e o nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI), com avanço de 0,6 ponto percentual, na série com ajuste.

Para o diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp, Paulo Francini, o consumo é um dos principais fatores a colaborar para o resultado.

“Para isso, temos uma inflação em queda, o efeito da liberação dos recursos de contas inativas do FGTS, os juros menores, a demanda externa aquecida, que influencia as exportações. Esse conjunto de fatores sinaliza, apesar de pequena e lenta, recuperação da atividade industrial”, diz.

Francini aponta que entre abril e julho, a média de crescimento do INA foi de 1%, o que leva a superar a projeção de fechamento do ano, de 1,7% para próximo de 2,5% e 3%.

De acordo com o levantamento, dos 20 setores pesquisados, 70% cresceram em julho. Os destaques ficaram por conta de produtos químicos, com alta de 2,2% em julho, na série com ajuste sazonal.

As horas trabalhadas na produção avançaram 2,3%, o total de vendas reais 4,7% e o NUCI 0,2 ponto percentual.

O INA de minerais não metálicos avançou 0,4% no mês. As horas trabalhadas na produção subiram 0,2%, vendas reais, 1,9% e o NUCI 0,1 ponto percentual.

No setor de artigos de borracha e plástico houve elevação do INA de 1,2% em julho. As vendas reais avançaram 5,9%, horas trabalhadas na produção 2,2% e o NUCI 0,3 ponto percentual.

 FOTO: Thinkstock