São Paulo, 26 de Abril de 2017

/ Negócios

Consumidores furiosos
Imprimir

Empresas de telecomunicações, de serviços financeiros e e-commmerce foram as líderes em queixas e atendimentos

Os sistemas de defesa do consumidor registraram mais de 2,7 milhões de atendimentos e reclamações em 2016.

As empresas de telecomunicações lideram a lista de reclamações, segundo dados dos boletins do Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (Sindec) e do Consumidor.gov.br, divulgados hoje (16/03) pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Para o diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, André Lopes, o volume de litígios de consumo na Justiça é grande, por isso o ministério trabalha em um serviço que ajude o cidadão a resolver seus problemas online, o Consumidor.gov.br.

“O consumidor buscar seus direitos e encontrar canais para isso é um avanço muito importante, sobretudo sem precisar fazer recurso ao Judiciário”, disse Lopes.

Ele explicou que as empresas que mais geram volume de reclamação nos Procons são convidadas a entrar no Consumidor.gov.br, uma plataforma online em que o cidadão pode se comunicar diretamente com as empresas participantes, que devem responder às demandas em até 10 dias. A adesão das empresas é voluntária.

No site também é possível ler as últimas reclamações registradas, consultar o desempenho das empresas, ver a lista das empresas participantes, entre outras informações. 

Lopes destaca, entretanto, que esse serviço via internet não substitui o serviço prestado nos canais tradicionais pelos órgãos de defesa do consumidor.

NÚMEROS 

No total, o Sindec registrou 2.458.127 atendimentos, sendo 63,7% de reclamações ou denúncias.

Em operação desde 2004, o Sindec reúne informações de Procons de todo o país. Esses atendimentos presenciais caíram 7,2% em relação a 2015, quando 2.648.521 pessoas foram atendidas no Procons.

No Sindec, as empresas de telecomunicações respondem por 28,8% das reclamações; assuntos financeiros são 25,3% das reclamações; produtos, 20,9%; e serviços privados, 13,4%.

Os assuntos mais reclamados nos Procons são telefonia celular e fixa e cartão de crédito. Entre os principais problemas estão cobrança, contrato e vício ou má qualidade do serviço.

Já o Consumidor.gov.br registrou 288 mil atendimentos em 2016, índice maior que o de 2015, quando 184 mil pessoas solicitaram atendimento pelo site.

Desde que foi lançada, em junho de 2014, a plataforma já recebeu 581.946 reclamações e já tem mais de 470 mil usuários cadastrados e 372 empresas credenciadas. O índice médio de soluções pela plataforma é de 80,1%, em até 7 dias.

As operadoras de telecomunicações foram alvos de 47,5% das reclamações na plataforma online; 23,9% das reclamações foram para bancos e financeiras; e 9,7% para comércio eletrônico.

Os assuntos mais reclamados no Consumidor.gov.br são cartão de crédito, telefonia móvel pós-paga e bancos de dados e cadastros. Entre os principais problemas também estão cobrança, contrato e oferta e vício ou má qualidade do serviço.

Para todos os casos, Lopes destaca as reclamações sobre problemas de atendimento, 7,8% nos Procons e 12,8% no Consumidor.gov.br.

O ministério também disponibiliza para a população cursos gratuitos a distância na área de defesa do consumidor.

Atualmente, estão abertas inscrições para os cursos de educação financeira e oferta e publicidade. As informações estão disponíveis no site da Escola Nacional de Defesa do Consumidor.



Levantamento revela que as versões femininas de produtos são vendidas a preços 12,3%, em média, superiores aos similares masculinos. Intrigados, pesquisadores investigam o que poderia explicar essa discrepância

comentários

Fiscais do Procon-SP monitoram uma lista de produtos, entre eletroeletrônicos, celulares e eletrodomésticos, nos sites das lojas virtuais dos principais varejistas para detectar falsas promoções

comentários

O preço médio passou de R$ 669,38, registrado no dia 3 de novembro, para R$ 669,10 nesta quinta-feira (10/11)

comentários