São Paulo, 26 de Junho de 2017

/ Negócios

Confiança do empresário industrial sobe 0,6 ponto em maio
Imprimir

Em relação ao mesmo mês do ano passado, o índice está 12,5 pontos maior

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) registrou 53,7 pontos neste mês, com alta de 0,6 ponto em maio frente a abril.

Esse aumento do indicador reverte parcialmente a queda de 0,9 ponto assinalada em abril.

As informações são da pesquisa divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) hoje (19). Índices acima de 50 pontos mostram industriais confiantes; abaixo dessa linha, indicam empresários com falta de confiança.

Em relação a maio do ano passado, o índice está 12,5 pontos maior. No entanto, o índice ainda não ultrapassou sua média histórica de 54 pontos.

Dos componentes do ICEI, os empresários percebem que há piora nas condições atuais, cujo indicador foi de 46,3 pontos, abaixo da linha dos 50 pontos. Já as expectativas são positivas, com índice de 57,4 pontos.

Empresários da maioria dos setores estão confiantes em maio.

Dos 32 setores analisados na pesquisa, apenas seis apresentam ICEI abaixo dos 50 pontos: impressão e reprodução de gravações; outros equipamentos de transporte; serviços especializados para a construção; madeira; minerais não metálicos; e coque e derivados do petróleo.

Os setores que apresentaram maiores índices de confiança foram: farmoquímicos e farmacêuticos (58,9 pontos), indústria extrativa (57,6 pontos) e manutenção e reparação (56,9 pontos).

O levantamento foi feito entre 2 e 12 deste mês com 3.008 empresas. Dessas, 1.231 são de pequeno porte, 1.097 são médias e 680 grandes.

FOTO: Thinkstock



Apesar da constância, há uma preocupação acima da média com os preços, o emprego e a situação financeira

comentários

De acordo com a análise da CNI, com a queda de 1,8 ponto, o índice fica ainda mais distante do nível necessário para a recuperação da economia

comentários

O índice registrou queda de 2,7% em comparação com abril. Há também maior pessimismo em relação ao desemprego e à projeção de renda pessoal

comentários