São Paulo, 28 de Julho de 2017

/ Negócios

Comércio paulista elimina 102 mil vagas em dois anos de crise
Imprimir

Isso devido à queda de vendas e fechamento recorde de lojas no mesmo período, de acordo com levantamento da Confederação Nacional do Comércio (CNC)

O comércio paulista eliminou pouco mais de 102 mil vagas nos últimos dois anos, de acordo com a CNC (Confederação Nacional do Comércio), com base em dados do Caged (Cadastro Geral de Emprego e Desemprego), do Ministério do Trabalho (MT).

No mesmo período, mais de 200 mil lojas foram fechadas no varejo brasileiro, em decorrência da mais devastadora recessão econômica enfrentada pelo setor.

O número de demissões registradas no ano passado, que é recorde na história do comércio paulista, representa 28,5% dos 357 mil postos de trabalho que evaporaram no setor em todo o país.

Das 102 mil demissões realizadas em 2015 e 2016, 49 mil foram feitas por lojas localizadas na Região Metropolitana de São Paulo e 28,5 mil, na capital paulista.

Para comparar: em 2010, o setor chegou a criar quase 150 mil vagas, o que demonstra seu vigor em fases de expansão da economia. 

O fechamento de postos de trabalho no Brasil e em São Paulo é reflexo, principalmente, de uma queda acentuada de vendas das lojas, de acordo com Fábio Bentes, economista da CNC.

No Brasil, o faturamento real do varejo, incluindo o comércio de veículos e material de construção, caiu 8,7% no ano passado no país e 7% no Estado de São Paulo.

As lojas de vestuário e calçados foram as que mais demitiram nos últimos dois anos no Estado de São Paulo -aproximadamente 35,3 mil pessoas.

O comércio de artigos de uso pessoal e doméstico aparece em segundo lugar no ranking das demissões (20,6 mil), seguido do de material de construção (19,3 mil). Veja no quadro abaixo as demissões por ano e por setor.

O varejo brasileiro emprega aproximadamente 7,7 milhões de comerciários, um terço deles no estado de São Paulo.

De acordo com análise de Bentes, o comércio paulista exibiu maior resistência à crise. A participação do estado sobre o número de fechamento de vagas (28,5%) é inferior à fatia do estado em relação ao total de lojas do país (30%).

“Custa caro contratar e demitir. Os lojistas de São Paulo tentaram segurar até que não deu mais”, diz Bentes.

Cláudio Conz, presidente da Anamaco, a associação que reúne as lojas de material de construção, diz que o faturamento real do setor caiu 6% no ano passado em relação a 2015.

Muitas empresas não resistiram à queda abrupta de receita. De acordo com ele, cerca de mil lojas de material de construção fecharam as portas no país no ano passado.

No setor de vestuário, a situação não é diferente. Em 2016, quase mil confecções, entre elas muitas que operam também lojas, deixaram de pagar a contribuição sindical obrigatória para o Sindivestuário, sindicato que representa o setor, ou porque fecharam as portas ou porque estavam descapitalizadas.

No setor de veículos, o tombo também foi feio. De janeiro de 2015 a junho de 2016, 1.291 concessionárias encerraram as suas atividades no país, o que resultou em demissão de 126 mil funcionários, de acordo com a Fenabrave, a federação dos distribuidores de veículos.

Queda de receita foi também a principal razão do encolhimento no segmento, de acordo com a Fenabrave.

As vendas de veículos novos foram 20,1% inferiores em 2016 na comparação com 2015. As 2,05 milhões de unidades comercializadas representam o menor volume de vendas registrado pelo setor desde 2006.

Para ter uma ideia de como esses dois setores sofreram com a crise, basta percorrer ruas e avenidas que concentram as lojas de roupas e concessionárias de veículos e observar a grande quantidade de pontos fechados com placas de ‘aluga-se’ ou ‘vende-se’.

Mas há sinais de que que o pior da crise já passou. O movimento de vendas a prazo do comércio varejista paulistano aumentou 5,9% na primeira quinzena de fevereiro em comparação com o mesmo período de 2016. É o que registra o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Para Bentes, a queda da inflação - o IPCA de janeiro, de 038%, foi o menor para o mês de toda a serie história do IBGE, iniciada em 1994 - abre espaço para cortes mais ousados da taxa de juros, o que pode vir a beneficiar os segmentos que mais dependem de crédito, como carros, eletrodomésticos e móveis.

LEIA MAISComo o varejo deve reagir ao terceiro ano de crise? 

A tendência, de acordo com ele, é de que segmentos mais dependentes de preço, como alimentos e roupas, reagirão neste primeiro semestre, e os que dependem mais de financiamento, no segundo semestre.

O varejo de construção já sentiu uma reação do mercado neste início de ano. Em janeiro, de acordo com Conz, as vendas de material de construção cresceram 4% em relação a igual mês do ano passado.

“Se as vendas crescerem entre 3% e 4% neste ano não deverá haver mais fechamento de lojas e demissões. Pode haver até contratações”, diz o presidente da Anamaco.

Perspectivas melhores para o setor já foram identificadas em pesquisa que a associação faz todo o mês com cerca de 550 lojas de material de construção espalhadas pelo país.

A expectativa de Bentes é que o varejo obterá um desempenho melhor neste ano do que no ano passado e que as lojas paulistas possam ter resultado melhor do que a média nacional.

LEIA MAIS: Poder de compra dos brasileiros será limitado até 2026

FOTO: Fátima Fernandes/Diário do Comércio



O número é 6,2% maior que o registrado nos primeiros seis meses do ano passado, de acordo com a CDLRio

comentários

Levantamento do IBGE mostra que a capital responde por 2.012,2 quilômetros quadrados de concentração urbana, superando Rio de Janeiro e Belo Horizonte

comentários

Em reunião na ACSP, presidente da CET diz que mais de 25 km de cabos semafóricos foram furtados no primeiro semestre. Disse também que tem planos de reestruturar as ciclofaixas

comentários