São Paulo, 17 de Janeiro de 2017

/ Negócios

Brasil é o que mais perde em exportações entre as 30 maiores economias
Imprimir

Organização Mundial do Comércio (OMC) alerta que a situação da balança exportadora do país continuará a sofrer uma retração em 2015 e 2016.

O Brasil sofreu em 2014 a maior queda nas exportações entre as 30 principais economias do mundo, caiu no ranking dos maiores vendedores do mundo e perdeu participação no comércio internacional. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 14, pela Organização Mundial do Comércio (OMC) e alertam que a situação da balança exportadora País continuará a sofrer uma retração em 2015 e 2016.

Ao final de 2014, o país era apenas o 25º maior exportador, superado por Tailândia, Suíça e Malásia. Em 2013, o Brasil era o 22º maior exportador do mundo, com 1,3% da fatia do comércio internacional e vendas de US$ 242 bilhões. Hoje, representa 1,2%.

Entre as 30 maiores economias do mundo, o Brasil apresenta a maior retração nas exportações, com queda de 7%, enquanto a média mundial foi uma pequena expansão de 1%. O ano de 2014 foi o terceiro sem crescimento nas vendas do país para o exterior e as exportações somaram apenas US$ 225 bilhões.

"O Brasil, assim como outros países sul-americanos e de outras regiões, sofreu com a queda nos preços de commodities em 2014 e vemos que esse fenômeno pode continuar a afetar no futuro próximo", alertou Roberto Azevedo, diretor-geral da OMC.

2015 e 2016

Para 2015 e 2016, a previsão é de que as economias sul-americanas terão o pior desempenho do mundo, com aumento de apenas 0,2% neste ano e de 1,6% no ano que vem. Enquanto isso, a expansão mundial será de 3,3% e 4%. O Brasil será o grande responsável pelo desempenho pior.

Os dados revelam também uma revisão para baixo do crescimento do comércio mundial em 2015. Segundo a OMC, a falta de crescimento nos emergentes e as dificuldades na Europa obrigaram a OMC a prever uma expansão menor dos fluxos comerciais neste ano. Originalmente, a previsão era de uma expansão de 5% em volume em 2015. Mas foi reduzida para 4,3% e, agora, caiu para 3,3. Em 2016, ele será de 4%.

Para 2014 a taxa foi de apenas 2,8%. "O crescimento do comércio tem sido frustrante em anos recentes diante do crescimento baixo das economias depois da crise financeira", declarou Azevedo. "Olhando para o futuro, prevemos que o comércio continue uma recuperação lenta. Mas com o crescimento econômico ainda frágil e tensões geopolíticas, essa tendência pode ser minada", disse.

FIM DE ERA

A queda do Brasil, porém, reflete o fim de uma era de expansão. Em 2001, o Brasil era apenas o 28º maior exportador, com 0,9% do comércio internacional. Em 2005, o País passou a ser o 25º maior, com 1,1% do comércio. O boom nos preços de commodities levou o Brasil a aumentar também sua participação e chegou a acumular 1,3%.

O salto a cada ano chegava a ser de mais de 20% em vendas. Mas o impulso era dado pela inflação nos preços do aço, do açúcar, soja e outros itens. Com o fim da bonança no mercado de matérias-primas, minérios e agricultura colocou a balança comercial em uma nova situação.

A nova posição também reflete a falta de competitividade do setor industrial no mercado internacional. Os dados mostram que a mudança no patamar de preços no setor de commodities não foi compensado por uma alta nos demais segmentos.

Em volume, as exportações brasileiras caíram 1,8%, o que revela que não foi apenas o preço dos produtos que contou. A contração em volumes é superior até mesmo à queda registrada pela Rússia, país sob embargo por causa do conflito na Ucrânia.

As vendas caíram em mais de 11% para os dois maiores destinos das vendas nacionais - Europa e China. Pequim também comprou menos em 2014 de todos seus parceiros. Em volumes, a China expandiu sua importação em apenas 3,9%, contra 9,8% em 2013.

IMPORTAÇÕES

A desaceleração da economia brasileira também afetou as importações. Em valores, a contração foi de 5% e em volume a queda foi de 2,8%. Entre os importadores, o Brasil era o 21º maior em 2013, com compras de US$ 250 bilhões e 1,3% também do mercado. Em 2014, a posição foi mantida. Mas o baixo crescimento nacional também deve afetar a importação nos próximos dois anos. Na América do Sul, as compras devem cair em 0,5% em 2015, puxadas pelo Brasil.



A gigante do varejo online deve abrir loja sem caixas, sem filas e 100% automatizada

comentários

O chef Mahmoud Ghalou pensava apenas em sustentar a família quando investiu nas tradições culinárias do seu povo. Da iniciativa informal, nasceu a marca Sonho Árabe, sucesso em feiras e eventos

comentários

Os negócios com receita recorrente vêm crescendo tanto que os especialistas já falam em Economia da Recorrência. No varejo, os clubes de assinatura colocaram esse modelo em prática

comentários