São Paulo, 21 de Fevereiro de 2017

/ Negócios

Avon aproveita onda de desemprego para recrutar revendedoras
Imprimir

A empresa lança nesta sexta-feira (26) campanha publicitária que enfatiza a independência financeira das mulheres, que representam 90% do quadro de 1,5 milhão de revendedores da marca no Brasil

A Avon quer aproveitar a crise econômica no Brasil e o aumento do número de desempregados para recrutar mais revendedoras no país - que hoje responde por 20% das vendas da companhia em todo o mundo.

 "Historicamente, quando o mercado passa por uma crise e as pessoas estão mais endividadas, elas procuram a venda direta para complementar a renda", diz o vice-presidente de Marketing da Avon no Brasil, Ricardo Patrocínio.

A tentativa da companhia de reforçar seu time de vendas ocorre num momento difícil para o setor de cosméticos. Além da retração da economia, a alta do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), em maio, também foi um ponto negativo.

A Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) estima para 2015 queda média de 7% no volume de vendas de produtos como batons, esmaltes e cremes. A associação prevê ainda uma procura maior de itens de menor valor agregado.

No Brasil, 4,5 milhões de pessoas revendem cosméticos, de acordo com o balanço de 2014 da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD).

No ano passado, esse segmento movimentou R$ 41,66 bilhões em volume de negócios, um crescimento de 0,2% em relação ao ano anterior.

Segundo dados das próprias companhias, a Avon disputa a liderança com a Natura em força de trabalho: a concorrente possui 1,6 milhão de revendedores no país.

ESTRATÉGIA

O mote do "empoderamento da mulher" não é novo, mas investir na revendedora é um ponto positivo, na opinião do especialista em marcas Maximiliano Tozzini Bavaresco, da Sonne Branding.

"Colocar a revendedora no centro do discurso reforça o senso de pertencimento. Se ela se sente parte da organização, mesmo estando do lado de fora, o vínculo mais aprofundado a manterá por mais tempo como representante da marca e fará com que ela se empenhe mais na comercialização dos produtos."

LEIA MAIS: Natura começa a testar vendas em lojas físicas

Fatores econômicos e culturais contribuem para o novo plano. "A venda direta tem o histórico de ser contracíclica. Quando o emprego sofre queda, a tendência é de que sua participação aumente no mercado de cosméticos", diz o sócio-diretor da consultoria Plano CDE, Maurício de Almeida Prado.

LEIA MAIS:  Levantamento põe no mapa 4,5 milhões de empreendedores//Quem são e onde estão os empreendedores de venda direta

"Entre as classes C, D e E existe uma cultura de ajuda muito forte. As pessoas passam a comprar produtos para ajudar alguém em sua rede de contatos." O que pesa contra a empresa neste momento é a diversificação dos produtos: "Natura e O Boticário (dois dos principais concorrentes) atuam em categorias em que a Avon não atua, como higiene e cuidados pessoais", aponta Bavaresco, da Sonne.

LEIA MAIS: Brasil já é o quarto mercado de vendas diretas no planeta

Foto: Valéria Gonçalvez/Estadão Conteúdo

 



As principais justificativas para aceitar um salário menor são a necessidade de pagar as despesas e de voltar ao mercado de trabalho

comentários

Depois de leve recuperação, todas as regiões voltaram a registrar retração na atividade no trimestre finalizado em novembro, informa boletim do Banco Central

comentários

Dados do Caged de dezembro de 2016 mostram diminuição no ritmo das demissões. Para Guilherme Afif, do Sebrae, o pequeno empresário é mais dependente da mão de obra, por isso só demite em último caso

comentários