São Paulo, 04 de Dezembro de 2016

/ Negócios

As vendas de material de construção se retraem
Imprimir

Em fevereiro, segundo a Abramat, entidade que reúne as indústrias do setor, houve queda de 16,4%

A demanda por materiais de construção voltou a recuar em fevereiro, impactada pelo menor número de dias úteis na comparação com o mesmo período de 2014.

O setor vendeu 16,4% a menos no mês passado em relação ao ano anterior. Já no comparativo com janeiro, a queda foi de 6,4%, segundo pesquisa divulgada há pouco pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat). No acumulado dos últimos 12 meses, as vendas de materiais recuaram 9,2% ante o ano imediatamente anterior.

O presidente da entidade, Walter Cover, destaca que o resultado continua muito abaixo do crescimento esperado de 1% em 2015. De acordo com ele, a projeção para o ano poderá ser revista a partir dos resultados obtidos em março. Para os próximos meses, as expectativas do setor apontam modesta recuperação dos resultados, associada principalmente às vendas no varejo.

O estudo mostrou ainda que as vendas de materiais de básicos continuaram a apresentar quedas maiores que as de materiais de acabamento. Isso indica que há mais obras em fase de entrega do que em estágio inicial, sinal de desaquecimento do mercado imobiliário. A comercialização de materiais de base caiu 17,6% em fevereiro ante o mesmo mês do ano passado, e caiu 7,6% em relação a janeiro.

Já os materiais de acabamento registraram um recuo de 13,6% na comparação anual e de 3,3% ante o mês anterior.

O nível de emprego na indústria de materiais de construção também apresentou queda, de 10,2% em fevereiro em relação ao mesmo mês de 2014. Na comparação com janeiro, por outro lado, o volume de funcionários contratados aumentou 0,3%.A demanda por materiais de construção voltou a recuar em fevereiro, impactada pelo menor número de dias úteis na comparação com o mesmo período de 2014.

O setor vendeu 16,4% a menos no mês passado em relação ao ano anterior. Já no comparativo com janeiro, a queda foi de 6,4%, segundo pesquisa divulgada há pouco pela Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat). No acumulado dos últimos 12 meses, as vendas de materiais recuaram 9,2% ante o ano imediatamente anterior.

O presidente da entidade, Walter Cover, destaca que o resultado continua muito abaixo do crescimento esperado de 1% em 2015. De acordo com ele, a projeção para o ano poderá ser revista a partir dos resultados obtidos em março. Para os próximos meses, as expectativas do setor apontam modesta recuperação dos resultados, associada principalmente às vendas no varejo.

O estudo mostrou ainda que as vendas de materiais de básicos continuaram a apresentar quedas maiores que as de materiais de acabamento. Isso indica que há mais obras em fase de entrega do que em estágio inicial, sinal de desaquecimento do mercado imobiliário.

A comercialização de materiais de base caiu 17,6% em fevereiro ante o mesmo mês do ano passado, e caiu 7,6% em relação a janeiro. Já os materiais de acabamento registraram um recuo de 13,6% na comparação anual e de 3,3% ante o mês anterior.

O nível de emprego na indústria de materiais de construção também apresentou queda, de 10,2% em fevereiro em relação ao mesmo mês de 2014. Na comparação com janeiro, por outro lado, o volume de funcionários contratados aumentou 0,3%.



Estimativas da ACSP indicam redução de até 6% nas vendas. Para Marcel Solimeo, economista-chefe da entidade, a retomada lenta ainda não é visível devido à comparação com 2015

comentários

Estudo do Sebrae demonstra a importância do setor para a economia. A produção de cinema, TV, publicidade e mídias digitais movimenta R$ 42,7 bilhões e gera 100 mil empregos diretos e 107,6 mil indiretos

comentários

Previsões mostram que, embora o encarecimento do frete prejudique o e-commerce à curto prazo, o fim do monopólio dos Correios pode beneficiar o mercado como um todo

comentários