São Paulo, 23 de Junho de 2017

/ Leis e Tributos

O dinheiro que sustenta a corrupção sai do seu bolso
Imprimir

O superfaturamento praticado em licitações públicas é pago com dinheiro arrecadado com impostos. Trinta dias de trabalho do contribuinte têm como destino essa ilegalidade. É o que revela o IBPT

O setor público paga, em média, 17% a mais que o setor privado ao comprar bens e serviços. Esse número, apurado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), quantifica o que genericamente habituamos chamar de superfaturamento.

É dinheiro do contribuinte sendo usado para sustentar essa forma de corrupção, já que as compras públicas são feitas com recursos da arrecadação tributária.

Segundo o tributarista Gilberto Luiz do Amaral, coordenador de estudos do IBPT, além da corrupção hoje inerente a quase todos os processos licitatórios, há também a má gestão dos recursos públicos. Tudo contribuindo para que os preços para o setor público fiquem acima da média do mercado.

“Não é segredo que, para participar de licitação, é preciso pagar uma comissão. O governo também não é um bom pagador, ele costuma atrasar, algo que é levado em consideração nos preços. Também não têm logística adequada para armazenar, transportar e manter aquilo que compra”, diz o tributarista, que esteve nesta terça-feira, 5, na Associação Comercial de São Paulo (ACSP), em um evento comemorativo dos 10 anos do Impostômetro.

Segundo Amaral, o brasileiro trabalha 30 dias do ano somente para que o governo arrecade aquilo que gastará com a parcela superfaturada das suas compras. Por outro ângulo, se não houvesse superfaturamento, o brasileiro trabalharia quatro meses para pagar impostos, não os cinco meses atuaisSegundo o IBPT, este ano o brasileiro vai trabalhar, em média, 151 dias (cinco meses) somente para pagar os tributos que incidem sobre o consumo , renda e patrimônio. No Japão são 124 dias trabalhados para acertar as contas com o fisco local. Nos Estados Unidos, 88 dias. No México, 91 dias.

“Estamos com o projeto do ‘Corruptômetro’, que tem como propósito calcular quanto a sociedade perde com a corrupção”, disse o presidente do IBPT.

 Amaral diz que no ano passado foi autorizado pelo Congresso, por intermédio da Comissão Mista de Reavaliação das Informações, a ter acesso aos dados necessários para o levantamento.

OS R$ 2 TRILHÕES ESTÃO PRÓXIMOS

O IBPT está readequando o Impostômetro à nova metodologia de cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) implantada pelo  Instituto Brasileiro de Geografia e estatísticas (IBGE).

Além dessa readequação, novos dados, antes escondidos, passam a ser processados pelo painel, como o Imposto de Renda retido na fonte de servidores estaduais e municipais, que somam R$ 5 bilhões por ano e que não eram computados. Também entram algumas taxas do Sistema “S”, que por lei podiam ser omitidas. 

Com as mudanças, a arrecadação medida pelo Impostômetro aumenta. A de 2014, por exemplo, antes estimada em R$ 1,8 trilhão, subiu para R$ 1,95 trilhão com a nova metodologia. “Certamente chegaremos a R$ 2 trilhões arrecadados este ano como consequência do ajuste fiscal”, disse Amaral.

Incorporando a nova metodologia, em 10 anos a carga tributária cresceu 2,23 pontos porcentuais , elevando-se de 33,19% do PIB, em 2004, para 35,42% em 2014.

NOVIDADES

O Impostômetro vai ficar mais pessoal. Em breve, a versão digital do painel (www.impostometro.com.br) permitirá a cada contribuinte inserir seus gastos com produtos e serviços para verificar quanto os tributos interferem em seu orçamento cotidiano.  

Com o uso do celular ele poderá fotografar produtos, “puxar” os impostos embutidos neles do portal do painel e postar em redes sociais com o indexador #CadêoRetorno. 

Essa maior interação faz parte das novas metas traçadas pela ACSP e o IBPT para o painel. “Nos primeiros anos o Impostômetro foi importante para mostrar ao brasileiro que ele paga imposto. Agora, a ideia é que o contribuinte use o painel como subsídio para cobra retorno por aquilo que paga”, disse Amaral. 

Da direita para esquerda, Ordine, vice da ACSP, Burti, presidente da ACSP e Amaral, do IBPT: brasileiro precisa cobrar do governo por aquilo que contribui

Em 2004, antes de lançar o painel, uma pesquisa da ACSP mostrou que 84% dos brasileiros desconheciam que pagavam outros impostos além do Imposto de Renda. Hoje, 90% têm essa consciência. 

Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), considera que o Impostômetro presta um serviço para a formação do contribuinte-cidadão. “Esse contribuinte agora tem consciência de quanto paga de impostos, sabe que o pais sobrevive graças a sua contribuição, e com essa certeza ele agora pode cobrar um retorno à altura da sua contribuição”, comentou Burti.

LEIA MAIS: Estudo especial sobre o impostômetro



Christine Lagarde anunciou que o FMI publicará um relatório sobre o impacto da corrupção no crescimento econômico

comentários

Associação Comercial de São Paulo (ACSP) divulga relatório social. Alencar Burti, presidente da entidade, lembra que conquistas da entidade não dependem de verba pública

comentários

Portal fornece explicações sobre os objetivos, as políticas adotadas e os pontos mais polêmicos que envolvem a instituição de fomento, presidida por Paulo Rabello de Castro

comentários