São Paulo, 27 de Junho de 2017

/ Leis e Tributos

Mesmo quem não é obrigado a declarar pode ter restituição de IR
Imprimir

Contribuintes que não tiveram rendimentos em 2016, mas que pagaram o Imposto de Renda retido na fonte têm dinheiro a receber do Leão - mas precisam fazer a declaração

A obrigação de entregar a declaração de ajuste anual do IRPF é determinada por cinco condições exaustivamente divulgadas pela Receita Federal. 

Caso o contribuinte se enquadre em apenas uma, ele é obrigado a prestar contas ao fisco. 

Mesmo fora da lista de declarantes obrigatórios, qualquer pessoa física pode apresentar a declaração, desde que o seu CPF não conste como dependente em outra declaração. 

Quem não entrou na lista de obrigatoriedade, mas teve o imposto de renda retido em 2016 e - assim, tem direito à restituição - precisa prestar contas para ter o valor do imposto devolvido. 

De acordo com Elvira de Carvalho, consultora tributária da King, são mais comuns do que parecem os casos de “abstenção” da entrega, mas com direito à restituição do imposto.

 “Podem estar nesta lista, por exemplo, contribuintes que não possuem outras fontes de renda e resgataram valores de planos de previdência privada ou que mantiveram trabalho com registro em carteira por poucos meses”, explica.  

A principal recomendação dos especialistas é observar no Informe de Rendimentos das fontes pagadoras se houve retenção do imposto na fonte, mesmo que o rendimento recebido esteja dentro do limite anual de isenção, que é de R$ 28.559,70, a partir do qual o contribuinte é obrigado a entregar a declaração. 

PREVIDÊNCIA PRIVADA

Os resgates de contribuições de planos como PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e VGBL (Vida Gerador Benefício Livre) são sempre sujeitos à mordida do Leão, embora com alíquotas diferenciadas do imposto. 

A primeira opção tem caráter previdenciário e os valores das contribuições são dedutíveis na declaração de ajuste anual, limitado a 12% do rendimento tributável. 

No PGBL o valor do resgate é tributado em sua totalidade, de acordo com a escolha do regime de tributação feito pelo contribuinte, que pode ser pela tabela progressiva ou regressiva.  

Já o VGBL, um plano de seguro de vida no qual os valores das contribuições não são dedutíveis, a alíquota do imposto incide sobre a diferença entre o montante recebido e o valor aplicado.  

Em ambos os planos, haverá imposto de renda retido na fonte. 

Caso o contribuinte não tenha outras fontes de renda ou a somatória dos rendimentos esteja dentro do limite anual de isenção, ele terá restituição a receber – mas apenas se fizer a declaração.

Nos dois casos, o valor do resgate e o montante de imposto pago antecipadamente pelo contribuinte devem ser lançados na ficha “rendimentos tributáveis recebidos de pessoas jurídicas”, com a indicação do CNPJ da instituição financeira. 

Os contribuintes que receberam no ano passado rendimentos provenientes de salários em curtos períodos de contratação pelo regime CLT também podem ter o imposto devolvido com a entrega da declaração de ajuste anual. 

“Quem recebeu salário mensal acima de R$ 1.903,98, independentemente do tempo que permaneceu na empresa, teve imposto retido na fonte e pode ter a restituição do valor”, explica a consultora. 

Para este ano, a Receita já definiu o cronograma de restituições. 

A devolução do imposto pago a maior será feita em sete lotes, sendo o primeiro no mês de junho e o último, em dezembro. 

A restituição é feita por ordem de entrega, com prioridade aos contribuintes com idade igual ou superior a 60 anos e pessoas com deficiência física ou mental. 

RETIFICAÇÃO

Para os contribuintes que já entregaram a declaração, mas perceberam erros e desejam fazer uma retificação, a consultora recomenda a entrega da declaração retificadora antes do encerramento do prazo. 

Além de pagar multa por atraso, calculada sobre o imposto devido, sendo o mínimo de R$ 165,74, o contribuinte que retificar depois do prazo final de entrega não poderá mudar o modelo da declaração de completa para simplificada, ou vice-versa. 

PRAZOS

O prazo de entrega da declaração IRPF 2017 termina na próxima sexta-feira, 28 de abril. 
A menos de uma semana do fim do período de prestação de contas, a Receita recebeu cerca de 16,5 milhões de declarações, das 28,3 milhões previstas para este ano. 

Estão obrigados a enviar a declaração os contribuintes que receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70, rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte superiores a R$ 40 mil, auferiram ganho de capital na alienação de bens ou direitos, possuem bens e direitos de valor total acima de R$ 300 mil ou obtiveram receita bruta na atividade rural em valor superior a R$ 142.798,50.  

FOTO: Thinkstock



Esse volume inicial, que totaliza R$ 3 bilhões, contemplará idosos e pessoas com deficiências. O valor restituído ficará disponível no banco informado pelo contribuinte durante um ano

comentários

Governo estuda reduzir o imposto para faixas maiores de rendimento. Para auditores fiscais, a medida deveria ser acompanhada pela ampliação das faixas de isenção

comentários

Mais de 1,6 milhão de contribuintes terão direito à devolução do imposto, no valor total de R$ 3 bilhões. O depósito nas contas bancárias será feito em 16 de junho

comentários