São Paulo, 25 de Março de 2017

/ Leis e Tributos

Lei exige maior transparência no comércio de veículos
Imprimir

Os lojistas terão que informar a situação de regularidade do veículo quanto a furto, multas, taxas anuais (IPVA e licenciamento), débitos de impostos, entre outras informações

Os vendedores de carros, motos, ônibus, caminhões e outros veículos automotores passam a ser obrigados a fornecer ao comprador o valor embutido nos bens novos ou usados. Além disso, os lojistas vão ter que informar a situação de regularidade do veículo quanto a furto, multas, taxas anuais (IPVA e licenciamento), débitos de impostos, financiamento e outros registros que impeçam a circulação dos veículos.
As informações sobre a natureza e o valor dos tributos incidentes sobre a comercialização e sobre a regularidade do veículo devem constar no contrato de compra e venda assinado entre vendedor e comprador. As exigências passam a valer daqui a dois meses, segundo a Lei 13.111, sancionada nesta quinta-feira, 26, pela presidente Dilma Rousseff.

Os empresários que descumprirem a regra serão obrigados a arcar com o pagamento do valor correspondente ao total dos tributos, taxas e multas existentes até o momento da aquisição do veículo pelo comprador. No caso de o veículo ter sido furtado, o comerciante terá que restituir o valor integral pago pelo comprador.

Para Amaury Oliva, diretor-geral do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão ligado ao Ministério da Justiça, a lei tem como vantagem reforçar o direitos dos compradores que já estavam previstos no Código de Defesa do Consumidor. "Direito à informação, transparência e boa fé são as regras básicas das relações de consumo e pautaram também essa lei específica sobre o comércio de veículos", disse.

De acordo com ele, a lei possibilita penalidades extras às previstas no código, como no caso de veículos roubados. Na interpretação do governo, o prazo de dois meses é suficiente para se adaptar, uma vez que os empresários já deviam estar cumprindo com a maior parte das exigências.

Os impostos respondem por 28,1% do valor dos carros flex 1.0 e 2.0, segundo estudo da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). A entidade considera no cálculo somente o IPI, PIS/Cofins e ICMS. Nos outros países, segundo a Anfavea, o peso dos impostos no preço ao consumidor era muito menor: Estados Unidos (7%), Japão (10%), União Europeia (16% a 18%).

Sobre a regularidade dos veículos, somente em relação DPVAT, 41,2% das 19,2 milhões de motocicletas e 24,6% dos 48 milhões de carros espalhados pelo País deixaram de pagar o seguro obrigatório, como mostrou o Estado.

A Anfavea e a Fenauto (Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores) foram procurados pela reportagem, mas não quiseram se pronunciar sobre as novas exigências.

 



Em comparação com janeiro, crédito para aquisição de carros, caminhões e ônibus retraiu 9,3%

comentários

Na infância, Geraldo Rufino foi catador de sucata. Hoje, o empresário é presidente do conselho da JR Diesel, empresa que fundou em 1985 e que fatura mais de R$ 50 milhões a cada ano reciclando caminhões

comentários

Foram financiadas 79.333 unidades no primeiro mês de 2017. Em comparação com dezembro, retração foi de 22,5%

comentários