São Paulo, 27 de Abril de 2017

/ Leis e Tributos

Impostômetro marca R$ 500 bilhões nesta segunda-feira
Imprimir

Em relação ao ano passado, o valor foi atingido nove dias antes

Meio trilhão de reais é quanto os brasileiros já pagaram em impostos, taxas e contribuições somente neste ano.

A marca de R$ 500 bilhões é exibida pelo Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) na nesta segunda-feira (20) e abrange o montante nominal de tributos – ou seja, sem descontar a inflação.  

Em relação ao ano passado, o valor vai ser atingido nove dias antes (o painel registrou R$ 500 bilhões dia 29/03/2016).

Para Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação da Associação Comercial de São Paulo (Facesp), esse aumento arrecadatório de um ano para outro é um incentivo para que o governo federal descarte elevação ou criação de impostos.

“Esse crescimento é sinal de que a recessão perde força e a economia começa a reagir. O controle de gastos e as reformas ajudarão a sanear as contas públicas nos próximos anos. Por isso, vemos como desnecessário qualquer aumento tributário, visto que isso retardaria a retomada da economia”, afirma Burti.

No portal do impostômetro [clique aqui] é possível visualizar, por exemplo, curiosidades e valores arrecadados por período, estado e município.

O painel foi implantado em 2005 pela ACSP para conscientizar o cidadão sobre a alta carga tributária e incentivá-lo a cobrar os governos por serviços públicos melhores. Está localizado na sede da Associação, na Rua Boa Vista, centro da capital paulista.

 



Para ACSP e Facesp, greve refletirá negativamente no comércio, justamente em um momento em que a atividade econômica experimenta uma incipiente melhora

comentários

Março foi o último mês em que os consumidores puderam usar o rotativo sem tempo definido. A partir de abril, esse crédito só estará disponível por 30 dias

comentários

Com nove dias de antecedência em relação a 2016, o Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) atinge nesta segunda-feira (24/4), às 8 horas, a marca de R$ 700 bilhões

comentários