São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Leis e Tributos

Impostômetro atingiu nesta quarta a marca de R$ 1,7 trilhão
Imprimir

No ano passado, esse mesmo valor só foi alcançado no dia 31 de dezembro

O Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) vai registrar R$ 1,7 trilhão nesta quarta-feira (17/12), às 12h15. O valor corresponde a todo o dinheiro desembolsado pelos brasileiros para pagar impostos, taxas e contribuições para a União, os estados e os municípios. No ano passado, a marca foi alcançada 14 dias mais tarde, o que indica aumento da carga tributária. 

“A arrecadação fiscal tem crescido mais lentamente devido à desaceleração da economia, à queda de lucro das empresas e à redução do ritmo do crescimento do consumo. O grande problema é que as despesas não só continuam crescendo como aumentaram nos últimos meses, agravando o desequilíbrio das contas publicas”, ressalta Rogério Amato, que preside a ACSP e a Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

Localizado na Rua Boa Vista, centro da capital paulista, o Impostômetro aponta o valor total de impostos destinados à União, aos estados e aos municípios. Pelo portal www.impostometro.com.br, é possível descobrir o que dá para os governos fazerem com todo o dinheiro arrecadado. Por exemplo, quantas cestas básicas é possível fornecer, quantos postos de saúde podem ser construídos. O portal também possibilita levantar os valores que os brasileiros de cada Estado e município pagaram em tributos. 



Na última reunião plenária do ano realizada pela ACSP, os empresários lamentaram as baixas de 2016, mas demonstraram expectativas positivas para o próximo ano

comentários

Fiel aos princípios que guiaram sua fundação, a trajetória da ACSP, que completa 122 anos nesta quarta-feira (7/12), foi marcada por ações e posições que a colocam como partícipe da vida política, econômica e social da cidade de São Paulo, do Estado e do País

comentários

A entidade, que cresceu ao lutar contra a burocracia, celebra nesta semana mais um ano de uma história centenária a favor da livre iniciativa

comentários