São Paulo, 30 de Setembro de 2016

/ Leis e Tributos

Brasil ocupa última posição em retorno do imposto recolhido
Imprimir

Pesquisa do IBPT analisou 30 países e comparou carga tributária com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)

O Brasil está entre os países de maior carga tributária, mas é o que proporciona o pior retorno à população dos recursos arrecadados. Um estudo do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), realizado com 30 países, mostra o Brasil na lanterna neste quesito.

Para apurar o Índice de Retorno ao Bem-Estar da Sociedade (Irbes) o Instituto cruza os dados da carga tributária com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos países estudados. Este é o quinto ano do estudo, e também a quinta vez que o Brasil aparece na pior posição.

Pelo Irbes, o país aparece com 137,94 pontos. Isso é resultado de uma carga tributária que representa 35,04% do Produto Interno Bruto (PIB) – medida em 2013 - e um IDH de 0,744 – também de 2013.

Como comparação, a Austrália, que a aparece no estudo como o país que melhor retorno dos recursos arrecadados oferece à sua população, tem um Irbes de 162,91. A carga tributária australiana é de 27,30% do PIB, e o IDH é 0,933.

“Mesmo com os sucessivos recordes de arrecadação tributária o Brasil continua oferecendo péssimo retorno na qualidade do ensino, atendimento de saúde pública, segurança, saneamento básico, entre outros serviços”, diz João Eloi Olenike, presidente do IBPT.
 
Além da Austrália, diversos outros países arrecadam menos dos contribuintes e oferecem mais do que o Brasil. A carga tributária da Coréia do Sul é de 24,30%, e o país é o segundo no ranking. O terceiro são os Estados Unidos, e sua carga tributária é de 26,40%
 
E por que o Brasil, mesmo tendo uma carga tributária maior, não consegue oferecer à população um retorno de qualidade? Entre outros fatores esse descompasso é explicado pela corrupção, pela má-gestão do dinheiro público, por uma máquina pública inchada (leia o especial: COMO OS IMPOSTOS EMPERRAM O BRASIL).

Até mesmo países em profundas crises, como a Grécia e a Argentina, aparecem no índice do IBPT como países mais generosos com seus contribuintes. Enquanto o Brasil é o 30° do ranking, a Grécia aparece em 16° e a Argentina em 24°.

 

 



Metade do aumento concentrou-se nos tributos do governo federal, que saltaram 0,12 ponto percentual em 2015

comentários

Pesquisa feita pelo Ibope mostrou também que brasileiros querem serviços públicos melhores frente à carga tributária

comentários

Em 2015, um total de R$ 2,21 trilhões em impostos deixaram de entrar nos caixas dos governos por causa de dívidas fiscais dos contribuintes

comentários