São Paulo, 25 de Junho de 2017

/ Leis e Tributos

Arrecadação se aproxima de R$ 1 trilhão
Imprimir

Toda essa dinheirama saiu do bolso do consumidor e entrou nos cofres públicos na forma de tributos

O Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) atinge a marca de R$ 1 trilhão na manhã desta sexta-feira, 16/06. O montante equivale ao total de impostos, taxas e contribuições pagos pela população brasileira desde o dia 1º de janeiro de 2017.

Em 2016, igual valor foi alcançado bem depois (em 5 de julho). Essa diferença de 19 dias indica que a arrecadação tem aumentado o ritmo.

Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), explica que a arrecadação aumenta quando há crescimento econômico e elevação de impostos. E que as taxas de inflação também exercem efeitos sobre o montante arrecadado.

“Já que nossa economia não está crescendo, essa diferença de 19 dias reflete aumentos e correções feitos em impostos e isenções, além da obtenção de receitas extraordinárias como o Refis. Reflete também a inflação, que, apesar de ter caído, segue em patamar alto”, analisa Burti.

Para ele, “no segundo semestre, espera-se elevação arrecadatória em função da melhora da atividade econômica.”

O presidente da ACSP esclarece que, embora a arrecadação federal tenha caído em termos reais, é o número nominal (sem descontar a inflação) – o mesmo medido pelo Impostômetro – que deve ser analisado. 

“Nosso painel não mede apenas tributos federais. Também entram na conta os estaduais e municipais. O que temos que observar são os valores nominais, porque os gastos são todos nominais. Você não deflaciona gastos.”  

IMAGEM: Thinkstock



É o que revela levantamento encomendado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) ao Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT)

comentários

Proposta do governo é centralizar o registro de ativos, como recebíveis de cartão de crédito e duplicata, para dar mais segurança ao mercado

comentários

É o que revela o Boletim de Vendas da Associação Comercial de São Paulo. O desempenho foi beneficiado pelo cenário de inflação e juros em queda; salário real em alta e a liberação dos recursos do FGTS

comentários