São Paulo, 26 de Fevereiro de 2017

/ Inovação

Como se dar bem com a Geração Y
Imprimir

As lições da Farm e Netflix para conquistar o público jovem nas redes sociais

Eles não podem esperar, estão conectados o dia inteiro e têm como principal objetivo de vida conhecer outras culturas. Esse é o perfil dos Millenials ou Geração Y, os nascidos entre 1980 e 1995.

Essa faixa etária se tornou foco de diferentes pesquisas e estudos nos últimos anos. A razão disso é que grande parte das empresas – mais habituadas com outros perfis de consumidores – têm dificuldade em decifrar o comportamento dessa faixa de público.

É bem diferentes das gerações anteriores, principalmente porque esses jovens convivem com a internet desde os primeiros anos de vida.

Acostumados com a simplicidade e velocidade das interações online, eles esperam o mesmo das marcas: respostas rápidas e processos simples.

A Geração Y já representa parte importante dos consumidores no mundo.

De acordo pesquisa da consultoria Accenture, trata-se de um contingente que gasta cerca de US$ 6 bilhões por ano nos Estados Unidos. Até 2020, o número deve saltar para US$ 1.4 trilhões – cerca de 30% do total de venda do varejo no país.

OS SUPERCONECTADOS

Por serem nativos do meio digital, eles se acostumaram a permanecer online por longos períodos. O estudo Connected Life, realizado pela agência de pesquisas TNS, mostrou que os jovens entre 16 e 24 anos permanecem por volta de 8,2 horas conectados por dia, entre os 25 e 34 anos o tempo é cerca de 6,4 horas.

 

Ainda de acordo com o estudo, os jovens brasileiros acessam as redes sociais enquanto assistem televisão. No horário nobre, por exemplo, a chance de conversão das compras em e-commerces é maior.

O tempo de resposta é outro ponto fundamental para os jovens. Os Millenials acreditam que 10 minutos é tempo suficiente para obter a resposta de uma marca. Por isso, as empresas com equipes qualificadas para responder prontamente levam vantagem.

A pesquisa da TNS também mostrou que o smartphone é um das principais formas de conexão desse público –mais de 40% das horas online são gastos nas telinhas dos celulares.

Outro ponto importante são as redes sociais –uma das principais formas de atrair esse público.  O estudo recomenda que as marcas devem encontrar  a combinação certa de canais e é importante que desenvolvam formatos diferenciados de comunicação para cada meio.

VÍDEO PROMOCIONAL DA NETFLIX COM INÊS BRASIL

NETFLIX: RAINHA DAS REDES

A Netflix, que faz transmissão online de filmes e séries, é um dos melhores exemplos mundiais de interação com os Millenials. Além de responder rapidamente a todas mensagens que recebe, a empresa interage com os usuários, faz piadas com suas séries e brinca com as mensagens que recebe.

A estratégia de comunicação da Netflix é baseada em uma mudança de comportamento. Essa nova geração trata as marcas e empresas como se fossem pessoas e, por isso, querem receber respostas humanas.

Aqueles textos padrões e formais, que são copiados e colados, não tem valor para esse público. Veja alguns exemplos de interações em nossa galeria de imagens. 

Cada país em que a empresa está presente tem sua própria conta nas redes sociais -- o que ajuda a personalizar o atendimento. A página brasileira tem mais de 24 milhões de seguidores no Facebook e cerca de 750 mil no Twitter.  

Os conteúdos postados sempre trazem temas relevantes para seus clientes e que têm conexão com realidade de cada país. Um dos exemplos mais recentes foi a aparição de Inês Brasil, cantora que se tornou celebridade na internet, em um vídeo de lançamento para a nova temporada da série Orange is the New Black.

Isso mostra que a Netflix conhece bem seu público e sabe interagir, por isso, tem enorme sucesso com a Geração Y.

LOJA DA FARM NO SHOPPING RIO DESIGN BARRA

FARM: ROUPAS QUE SÃO UM ESTILO DE VIDA

Um exemplo de negócio nacional que também consegue atrair esse público é a Farm, varejista de roupas. A empresa foi fundada pelos empresários Kátia Barros e Marcello Bastos em 1997 e, posteriormente, passou integrar o grupo de moda Soma, que abriga outras marcas como Animale e A.brand.  

Diferente dos Baby Boomers e da Geração X, os Millenials não estão preocupados em ter bens materiais, mas em consumir experiências. Por isso, será cada vez mais difícil para o varejo conseguir atrair esse público, principalmente para as lojas físicas.

O caso da Farm é exemplar exatamente porque além de roupas, a empresa vende também um estilo de vida.

“Em bom carioquês, a Farm é menos salto alto e mais pé na areia. Menos maquiagem e mais bronzeado. Menos chapinha e mais cabelo secando ao vento depois de um mergulho no mar. Menos espelho e mais olho no olho, menos relógio e mais nosso próprio tempo”, afirma o manifesto estampado no site da empresa.

Muito mais do que um vestido ou uma blusa com modelagem e estampas atraentes, as clientes da marca estão sintonizadas com essas ideias que estão embutidas nos produtos.

Além disso, a Farm organiza uma série de eventos relacionados a arte e a música que contribuem para construção de sua imagem.

A empresa conta com mais de 1.8 milhões de seguidores no Facebook. Apesar de a maioria das mensagens nas redes sociais estar relacionada a problemas com e-commerce da marca, a Farm responde todos essas mensagens de forma personalizada. 



O ministro Gilberto Kassab afirmou que o modelo de franquia de dados passaria a ser adotado neste ano, mas voltou atrás. Na cabeça dos usuários de internet fixa, sobraram dúvidas

comentários

Fundador de uma das mais famosas lojas de departamento de Londres, Harry Gordon Selfridge é um exemplo para comerciantes e empreendedores

comentários

Projeto de lei prevê tributação de serviços de internet e de comunicações como o aplicativo de filmes Netflix

comentários