São Paulo, 11 de Dezembro de 2016

/ Gestão

Queixas contra a Eletropaulo dispararam em janeiro
Imprimir

A maioria das 1900 reclamações recebidas pelo Procon, um aumento de 800% ante o mesmo período do ano passado, foi de queda de energia

A Fundação Procon-SP recebeu apenas em janeiro deste ano 1.900 reclamações contra o serviço prestado pela AES Eletropaulo, ante 214 registros no mesmo período de 2014 - um aumento de mais de 800%. Desse total, 1.708 queixas relatavam falta de energia; 140, aparelho queimado ou produto danificado; e 98, falhas no serviço de atendimento ao cliente (SAC).

Diante da grande quantidade de consumidores com falta de energia em São Paulo - que teve início principalmente após o temporal ocorrido em 29 de dezembro -, o Procon criou o pop-up "Falta de energia elétrica?" em sua página na internet para que os registros fossem encaminhados diretamente à concessionária, que deveria respondê-los em 24 horas.

Segundo a AES Eletropaulo, das reclamações recebidas pelo Procon, entre os dias 29 de dezembro a 31 de janeiro, "89% referem-se aos eventos atípicos climáticos". Mas, para a assessora técnica do Procon Leila Cordeiro, a empresa tinha de estar preparada para a chuva, com uma equipe que pudesse atender a essa demanda.

"Não é justificável alegar que não tinha um efetivo suficiente. Houve má prestação de serviço e os esforços que disseram que empreenderam para atender a população não foram suficientes", acrescentou. E como se trata de um serviço essencial, ele tem de ser prestado de forma adequada, segura e contínua, acrescenta. "Caso haja descumprimento total ou parcial dessas obrigações, os danos causados ao consumidor têm de ser reparados, como diz o Código de Defesa do Consumidor."

A AES Eletropaulo informou que a compensação pelos desligamentos de energia elétrica na conta dos clientes obedece à regulamentação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Segundo a concessionária, as ocorrências são contabilizadas nos indicadores só no fechamento do ciclo do cliente, o que pode ocorrer após dois meses.

Informou ainda que o período de interrupção registrado no mês dezembro será compensado na fatura de fevereiro. Já o mês de janeiro, a distribuidora diz que ainda não foi feito o cálculo e o cliente receberá posteriormente a informação em sua conta de energia.

A Aneel informou que a apuração dos indicadores é de responsabilidade da AES Eletropaulo e que o único caso em que não há compensação é na ocorrência de interrupção em situação de emergência, que só se aplica a casos extremos, como em catástrofes climáticas.



Quem dá as dicas é a rede paranaense Gazin, com 238 lojas, que se sagrou a melhor empresa do varejo para se trabalhar. O índice de engajamento dos funcionários atinge 96%, bem acima da média nacional

comentários

Um dos pioneiros na implementação da nota fiscal eletrônica no Brasil, Tibério Valcanaia está à frente de empresas especializadas em desenvolver sistemas de gestão online que ajudam o pequeno varejo a ser mais competitivo

comentários

A substituição de executivo-chefe que atingiu idade limite continua a ser um momento crítico para as grandes empresas. O Bradesco de Luis Carlos Trabuco (foto) é o mais recente caso de mudança no limite de idade para o cargo

comentários