São Paulo, 29 de Setembro de 2016

/ Gestão

Pesquisa capta o pessimismo dos parlamentares com governo Dilma
Imprimir

Para metade da Câmara, relação com Dilma é ruim e afeta o custo politico de aprovação de medidas como o ajuste fiscal

Uma semana antes da divulgação da lista do procurador-geral da República, metade dos parlamentares na Câmara, ouvidos em pesquisa, avaliou como ruim ou péssima a relação entre Executivo e Legislativo e afirmou acreditar que o quadro vai manter-se como está ou piorar nos próximos três meses. A pesquisa, a primeira realizada na Câmara para avaliar o governo Dilma Rousseff, teve a condução da consultoria política Arko Advice. Foram ouvidos 102 deputados de 20 partidos, distribuídos conforme a representatividade de cada bancada, entre 24 e 26 de fevereiro.

Nesse período, o estresse já tomava conta dos parlamentares no Congresso, diante da expectativa dos pedidos de investigação de políticos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O Supremo Tribunal Federal autorizou na sexta-feira a abertura de inquérito contra 12 senadores e 22 deputados suspeitos de ligação com o esquema de corrupção na Petrobrás.

Mas a pesquisa ainda não havia captado completamente a piora no clima em Brasília com a crise deflagrada entre o governo Dilma e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele devolveu à Presidência da República a medida provisória que reduziu o benefício tributário da desoneração da folha de pagamento das empresas no mesmo dia em que Janot enviou sua lista ao STF.

"A pesquisa reflete um momento de tensão em que o governo já enfrentava diversas dificuldades na Câmara", diz o analista sênior da Arko Advice, Cristiano Noronha, responsável pela pesquisa em conjunto com Murillo de Aragão, diretor da consultoria. Para Noronha, se os deputados ouvidos fossem entrevistados na semana que passou, após o envio da lista de Janot e da devolução da MP da desoneração por Renan, a avaliação do governo teria sido pior.

"O fato de que metade dos deputados avalia como ruim ou péssima a relação do Legislativo com o governo é uma sinalização clara de que a presidente Dilma precisa urgentemente mudar não somente a sua postura - ou seja, com mais diálogo e compartilhamento das decisões -, como também uma possível mudança de pessoas na articulação com o Congresso", explica o analista da Arko Advice.

Para Noronha, Dilma precisa incluir representantes de outros partidos da base aliada no núcleo duro de coordenação política do governo ou substituir nomes que já estejam desgastados na articulação com o Congresso. 

Atualmente, o grupo que participa da tomada de decisão próximo à presidente está composto por seis ministros, todos petistas: Aloisio Mercadante (Casa Civil), Miguel Rossetto (Secretaria Geral da Presidência), Pepe Vargas (Relações Institucionais), José Eduardo Cardozo (Justiça), Jacques Wagner (Defesa) e Ricardo Berzoini (Comunicações).



“Venho aqui convidá-los a participar dessa nova fase de crescimento do país”, disse o presidente a empresários americanos

comentários

A avaliação é do Fundo Monetário Internacional (FMI), que defende um ajuste equilibrado, que não seja tão forte a ponto de impedir a recuperação da economia

comentários

Economia não é o único assunto dos líderes das 20 maiores potências do mundo reunidos na China. Imigração, meio ambiente, corrupção e terrorismo estão na pauta

comentários