São Paulo, 24 de Setembro de 2016

/ Gestão

Fechando negócios na aula de meditação
Imprimir

Não pode haver dois conceitos menos compatíveis: a prática silenciosa e ancestral da meditação e a animação de nova-iorquinos em busca de oportunidades

A meditação fez muito bem para a carreira de Olivia Chow. Em seu primeiro mês na Ziva Meditation, a analista de tendências conheceu Noël Rohayem, estilista que a ajudou a encontrar um novo emprego. Isso levou a uma parceria firmada no verão do ano passado, e agora as duas criaram uma linha de roupas feita sob medida que chegará às lojas no ano que vem. Quase todas as semanas elas se encontram no apartamento de Chow – sempre meditando um pouquinho antes das reuniões – e então dão início ao planejamento de marketing, à escolha dos tecidos e aos esboços.

Meditação significa muito mais que tranquilidade para Chow. Ajuda na hora do trabalho. Recentemente ela foi contratada por três colegas de meditação para fazer roupas sob medida.

"Eu faço networking o tempo todo", contou Chow. Não pode haver dois conceitos menos compatíveis: a prática silenciosa e ancestral da meditação e a animação de nova-iorquinos em busca de mais uma oportunidade.

"Tive mais sucesso na meditação do que em qualquer outro evento"

Agora, estúdios e centros de meditação que prestam serviços para profissionais de primeira linha em Manhattan estão se convertendo em um espaço improvável de networking sem a obviedade da procura por um emprego. É difícil acalmar a mente em uma cidade onde brigar por um táxi virou um esporte. Sendo assim, por que não fugir do estresse, ou conseguir um financiamento, entre amigos que gostam de meditar?

O empreendedor Ben Bechar afirmou que chegou a frequentar quatro eventos de networking por semana sem nenhum retorno. Contudo, quando foi ao Path, uma nova aula de meditação só para convidados que começou oficialmente em outubro, conheceu não apenas um investidor potencial, mas também cinco beta testers para seu novo aplicativo. O investidor apresentou Bechar a outros amigos e, em algumas semanas, ele vai descobrir se conseguirá o investimento que está buscando.

"Tive mais sucesso na meditação do que em qualquer evento de networking de que já participei", afirmou Bechar.

A onda nova-iorquina de networking de mente plena é uma tendência trazida do alto escalão cafeinado do Vale do Silício. Soren Gordhamer, que vive em Santa Cruz, na Califórnia, cerca de 48 quilômetros a oeste do Facebook e do Google, costumava trabalhar para o ator Richard Gere na instituição de caridade Healing the Divide, uma afiliada da Gere Foundation.

Em 2009, Gordhamer fundou a Wisdom 2.0, um seminário realizado em São Francisco e frequentada por empreendedores de alta tecnologia que querem meditar e conseguir dinheiro de investimentos. Gordhamer comanda as sessões de meditação guiada que visam aumentar a compaixão e a consciência na era digital. Há dois anos, ele trouxe seu seminário para Nova York, chamando-a de Wisdom 2.0 Business. Mais de 400 se matricularam em outubro.

O que torna a meditação tão palatável para os empreendedores e executivos de hoje é o fato de ser vista como uma ferramenta para aumentar a produtividade. Uma mente tranquila reconhece com mais facilidade as oportunidades de negócios inesperadas e é capaz de reagir com mais astúcia.

"Se você só está procurando um investidor, talvez se dirija apenas ao cara que estiver de terno. Ao invés disso, talvez seja melhor você conversar com o cara de jeans", afirmou Gordhamer.

Alguns instrutores de meditação aceitam bem o desejo de networking de seus alunos, já que reconhecem as diferentes motivações de cada um. Emily Fletcher é uma dessas pessoas e fundou a Ziva Meditation em 2012, um estúdio que oferece aulas para uma clientela diversificada, incluindo atores da Broadway e banqueiros de investimento.

"Se você veio pra encontrar um investidor e aproveita pra meditar, maravilha! Tanto faz a razão, o importante é que você veio", afirmou.

Se você quiser meditar na Ziva, encontrar um investidor talvez seja uma boa ideia. Fletcher cobra 1.100 dólares por um curso introdutório de quatro dia, além de acesso ilimitado a aulas de acompanhamento e apoio. O curso de meditação online custa 250 dólares.

Poucos estúdios de meditação tiraram mais proveito do networking da mente plena que o Path, que surgiu no centro da cidade como um espaço de encontro para empreendedores de moda e tecnologia. Os clientes precisam ser convidados e pagam U$ 20 dólares por uma sessão às oito da manhã de segunda-feira no estúdio. A aula vive lotada; mais de 90 pessoas aparecem regularmente. Os frequentadores são encorajados a beber chá e bater papo.

"Quando alguém diz que é engenheiro do Google e está a fim de abrir uma startup, as pessoas ficam mais animadas para ajudar", afirmou Dina Kaplan, que era repórter da TV local e fundou o Path.


Catiana Van Dinh em sua primeira sessão de meditação no Path, em NY
Fotos: The New York Times Service

Mesmo quando querem refletir em silêncio, as pessoas mais conectadas não conseguem deixar de fazer o que fazem de melhor – expandir sua rede de contatos. Laurel Touby é empreendedora e fundadora da Mediabistro, uma plataforma de construção de comunidades para o setor de mídia. No Path, ela conheceu um gerente de produtos do site de casamentos The Knot, que colocou uma amiga de Touby em contato com o pessoal de RH do site. Drew Austin, fundador da Augmate, uma empresa especializada em tecnologia de vestir, afirmou que conheceu um engenheiro em busca de emprego com quem gostaria de conversar.

"Estamos em fase de contratação", afirmou Austin. "Encontrar as pessoas certas é a parte mais difícil".

Para essa turminha descolada, fazer meditação é melhor que o happy hour. Jesse Israel, empreendedor musical de 30 anos que vive no Brooklyn, afirmou que criou em novembro um grupo de meditação para o pessoal da sua idade em um loft no cento da cidade ocupado pela Men in Cities, uma marca de acessórios masculinos. Yuvi Alpert, fundador da Men in Cities, vai meditar no grupo de Israel.

"Somos pessoas jovens e modernas e precisamos de um lugar de encontro", afirmou Israel. Associações de meditação podem levar não apenas a uma troca de energias, mas também de fundos. Israel conheceu Nadeem Kassam, empreendedor que vive em San Francisco, em uma conferência realizada em Utah em 2012.

"Decidimos meditar na beira de um abismo", afirmou Kassam. Disse Israel, "Percebi que esse cara era incrível e quis trabalhar com ele". Israel ofereceu uma parte da empresa que estava fundando e uma posição como sócio. Em troca, Kassam ofereceu a Israel um acordo similar na empresa de entretenimento e saúde que ele tinha.

"Sempre que estou em Nova York, vamos jantar e fazemos uma sessão de respiração. É possível formar uma conexão profunda no silêncio", disse Kassam.

Alguns fãs da meditação estão dispostos a correr grandes riscos baseados exclusivamente no interesse comum pela prática. Bianca Rothschild, que trabalha com marketing online e estratégias digitais e vivia na época na Austrália, foi a uma conferência da Wisdom 2.0 em San Francisco em fevereiro. Em uma sessão de meditação guiada por Agapi Stassinopoulos, irmã de Arianna Huffington, Rothschild conheceu Khajak Keledjian, fundador da loja de produtos de moda Intermix.

Keledjian se apresentou como um exemplo de sucesso na meditação, sentando de pernas cruzadas para fotógrafos em suas casas em Nova York e Hamptons. Impressionado com a tranquilidade e esperteza dela, Keledjian elogiou Rothschild, convencendo-a a se mudar para Nova York para ajudá-lo a encontrar investimentos nos setores de bem-estar e saúde. Ela concordou e chegou no outono deste ano.

"Pensei que deveria deixar meu ego de lado e assumir o risco. É isso que significa fazer parte deste movimento", afirmou Rothschild.

A conexão instantânea pode ser poderosa, afirmou Amber Shirley, executiva-chefe da Soul Sisters Collective, uma organização de empreendedoras. Quando meditava na Ziva durante o verão, ela conheceu Riley Huston, coordenador de projetos especiais da ONG Boys Hope Girls Hope. Em pouco tempo eles se conectaram.

"Quando o conheci, nos abraçamos", afirmou Shirley. Huston disse: "Eu estava procurando por você. Era você que eu queria encontrar". No dia 18 de outubro, a Soul Sisters Collective realizou o evento "Dress the Part" na cafeteria da Boys Hope Girls Hope, e agora eles planejam realizar eventos mensais.

A meditação de mente plena pode levar a todo tipo de conexão, afirmou Shirley. "Se alguém me recomendar um cara, e eu o vir na Ziva, certamente toparia um encontro. Sem sombra de dúvida".

(The New York Times)



Agora ele espera que o discurso se materialize na prática, de acordo com o presidente do Citi no Brasil, Hélio Magalhães

comentários

Francislei Henrique (foto), presidente nacional da CUFA (Central Única de Favelas), diz que a disposição dos moradores para empreender segue firme. Laços afetivos nas comunidades contribuem para a proliferação de negócios

comentários

Fabíola Molina transformou seu nome em marca de prestígio no segmento de moda praia. A empresária retorna ao cenário olímpico com uma coleção exclusiva para a Rio 2016

comentários