São Paulo, 29 de Setembro de 2016

/ Gestão

Aprenda a lucrar com a sazonalidade
Imprimir

Algumas datas causam um aumento expressivo de demanda - fuja da mesmice e garanta produtos ao seu cliente dentro e fora da temporada

Todo comerciante já sentiu no seu caixa o impacto da sazonalidade. Esse fenômeno influencia diretamente os hábitos de consumo - é ele que determina a hora de comprar presentes, montar a árvore de natal, comer bacalhau e ovos de páscoa, e de tantas outras práticas. 

No verão, os picolés vendem mais; no inverno, o sucesso é das bebidas quentes. E não é só no ramo da alimentação - do vestuário até os itens de decoração, em todos os setores é possível encontrar efeitos da sazonalidade. É preciso estar atento para aproveitar ao máximo as oportunidades do mercado, e entender como se comporta a oferta e a demanda em diferentes épocas do ano.

De um lado, a sazonalidade aumenta o consumo dos produtos - atraídos pela moda, pela estação ou por tradição, os consumidores são induzidos a disputar os itens do momento. Por outro lado, a sazonalidade também cria oportunidades para quem quer poupar - comprar botas no verão, biquinis em pleno inverno e aproveitar as frutas da estação costumam ser práticas de quem procura fazer mais com menos.   

Com isso, é natural que toda empresa tenha, também, seu ciclo próprio de movimento. Carnaval, volta às aulas, Dia das Mães, Páscoa, Dia dos Namorados, Dia dos Pais, Natal, Ano Novo devem se tornar atrativos para os clientes. Observar o comportamento do seu cliente, o tipo de produto que a maioria procura, a faixa etária, o tipo de ocupação, o gasto médio em cada compra são informações essenciais para alinhar o planejamento. 

Identificar as datas comemorativas mais importantes para o seu negócio, analisar o seu estoque de produtos, caprichar na decoração, divulgar a sua marca e suas promoções, treinar bem a sua equipe, e planejar as próximas ações podem evitar uma instabilidade financeira. 

LEIA MAIS: Um antídoto para tempos de crise: a velha fórmula do 'seu' Samuel

ÓCULOS DE SOL DE MADEIRA

De forma despretensiosa, a Notiluca nasceu de um projeto de faculdade e se materializou em 2012 pelas mãos de três jovens designers, tornando-se a marca pioneira no uso de madeira para a fabricação de óculos de sol no país.

Focados em matéria-prima, design e imprimir estilo de vida, eles não se atentaram que estavam lidando com um item sazonal. Usados o ano inteiro, a procura por óculos de sol aumenta em sintonia com a elevação da temperatura. 

RODRIGUES,DA NOTILUCA, TEVE DE APRENDER A LIDAR COM PRODUTO SAZONAL/ FOTO: DIVULGAÇÃO

Passada a primeira temporada de verão, Fernando Rodrigues, 29 anos, sócio-proprietário da Notiluca e seus dois sócios perceberam o que tinham em mãos. Um produto com picos de venda entre outubro e janeiro. Foi quando deram início a outros projetos e criaram novos produtos para preencher o portfólio. “Não imaginávamos que seria um produto tão sazonal. Percebemos que vale tudo. Inovar na matéria-prima, proposta e conceito”, diz.

Em outubro, quando o verão começa a fazer parte dos planos, o volume de vendas cresce 50%. A alta se sustenta até janeiro, quando algumas lojas ainda solicitam reposições, além das vendas do varejo on-line.

Mesmo estando atentos a qualquer possibilidade de expansão, os sócios não perceberam logo no início um nicho óbvio, os óculos de grau. “Depois de um ano, os clientes começaram a nos pedir. Mas não estávamos deliberadamente nesse mercado. Então, fazíamos adaptações e manutenção, mas com o modelo multifocal, por exemplo, ficava muito limitado”, diz. 

Há um mês no mercado ótico, a Notiluca desenvolveu seis novos modelos de grau. “Queremos crescer 150% neste ano em relação a 2014, abrir novos pontos de vendas em até 20 estados, em até 2 anos fechar um total de 600 lojas, e internacionalizar a marca”, diz. “Outra novidade é que começaremos a exportar para Nova York no segundo semestre.” 

LEIA MAIS: 6 dicas para lucrar o ano todo com produtos sazonais

MUITO MAIS QUE CAFÉ 

Enquanto algumas marcas buscam alternativas para superar a sazonalidade, outras tiram proveito dela. É o caso da Starbucks, que deve seu sucesso à suas exclusivas combinações de café e às estratégias de negócios. 

BIANCA, DA STARBUCKS: "PRODUTOS SAZONAIS AUMENTAM NOSSA DEMANDA"/FOTO:DIVULGAÇÃO

Além do cardápio fixo, a Starbucks adotou campanhas sazonais que ampliam a variedade de produtos oferecidos, ao menos, em quatro momentos diferentes do ano. O lançamento de produtos sofisticados, como panetones, ovos de páscoa e bebidas especiais garante um menu fresco, atrai diferentes tipos de clientes e aguça o consumo nas lojas. Muitos clientes esperam meses para degustar alguns sabores até que eles reapareçam em outra temporada.  

“Fazemos uma análise de estudo do produto, e com esse mapeamento lançamos novidades para o verão (em janeiro), no outono (em maio), no inverno (em agosto), e no natal (a partir de novembro). E é muito comum que o sucesso de alguns produtos os tornem um item permanente em nosso cardápio”, diz Bianca Bader, 35 anos, gerente de marketing da Starbucks Brasil. 

Em março de 2012, uma dessas campanhas trouxe uma bebida à base do doce mais amado pelos brasileiros, o brigadeiro frappuccino. O sucesso de vendas fez a mistura migrar com louvor para o cardápio fixo da marca no Brasil. 

BRIGADEIRO FRAPPUCCINO ENTROU PRA CARDÁPIO DEFINITIVO DA REDE NO BRASIL/FOTO: DIVULGAÇÃO

A expectativa é que o mesmo aconteça com a campanha do outono deste ano, que traz o cafézinho brasileiro: o Brasil Nova Resende - 100% feito com grãos locais de 74 pequenas propriedades do sul de Minas Gerais.

Essas inovações garantem um volume de vendas bem diluído ao longo de todo o ano. “O café é consumido diariamente pelo brasileiro, e é muito bem aceito em qualquer época do ano, mas as campanhas sazonais, sem dúvida, mantém nossos clientes atraídos e aumenta a demanda”, diz.

“Além de todos os alimentos e bebidas que podem ser degustados na loja, temos uma linha de itens de presentes durante todo o ano, e novidades para datas especiais como o Natal. O interessante é sempre inovar, e trazer cores, materiais e design diferenciado”, diz.



Ritmo de crescimento é inferior aos 17% de 2015, segundo o Índice Cielo. Mesmo assim, desempenho é superior à média do varejo total no período, que foi de 4%

comentários

Com quedas cada vez menos intensas, o varejo paulistano começa a reagir, mesmo operando no vermelho. Na primeira quinzena de setembro, o recuo foi de 5,3%

comentários

De janeiro a julho, as vendas totalizaram 8.022 unidades, um volume 25% abaixo do mesmo período do ano passado, revela levantamento do Secovi

comentários