São Paulo, 25 de Setembro de 2016

/ Gestão

7 estratégias para fidelizar o consumidor
Imprimir

Confira as mais novas tendências de marketing para melhorar os serviços prestados aos clientes

Em teste com 1.620 consumidores, a American Express verificou que, para mais da metade deles (53%), receber um ótimo serviço provocou as mesmas reações do que as comumente encontradas quando as pessoas se sentem amadas. No entanto, de acordo com pesquisa da consultoria Accenture Global, 66% das pessoas mudaram de marca no ano passado em razão do péssimo atendimento e feedback – e 82% dos que o fizeram disseram que algo poderia ter sido feito para impedi-los de ir atrás de outro fornecedor. Compilando as últimas tendências de serviços aos clientes, de fontes como PricewaterhouseCopers, ESPM, Trendwatching, Forrester  e Springwise, mostramos a seguir 7 estratégias para as empresas melhorarem a sua relação com os consumidores.

1. CANAIS DE COMUNICAÇÃO E DE COMPRA INTEGRADOS

O consumidor contata a empresa por diferentes canais – telefone, chat, e-mail, celular, autosserviço, redes sociais, lojas físicas – e espera ter uma experiência de mesmo padrão em todos eles. Além disso, sua expectativa é começar a conversa em um canal e terminar em outro. A tradicional marca de vestuário Camisaria Colombo,  por exemplo, procura fazer uma integração entre o site e as lojas. O cliente pode concluir sua compra virtualmente e receber o produto em casa, retirá-lo pessoalmente na loja ou, ainda, pedir a alguém de sua confiança que o retire. Há ainda outra opção: escolher pela Internet e pagar pessoalmente num ponto de venda. O slogan on-line da empresa é “1 loja para comprar, 400 para trocar”, o que ajuda não apenas a diminuir a desconfiança do internauta em relação a comprar uma peça de vestuário pela Internet, como o estimula a visitar uma loja da rede.

2. REFORÇO NO AUTOSSERVIÇO

De acordo com estatísticas da Plusoft, fornecedora de tecnologias de relacionamento com os clientes, 54% das pessoas preferem o autosserviço a ter de interagir com um operador – e 23% desistem de uma compra ao encontrar um canal ocupado. Além disso, 65% dos brasileiros fogem das filas para uma máquina de autosserviço se existir esta opção.  Porém, a tendência é que esse autosserviço seja cada vez mais humanizado e personalizado. O exemplo do Magazine Luiza pode servir de inspiração para empreendedores de diversos ramos de atividade. A empresa criou um personagem virtual, a Lu, que tem até um portal só dela e está presente em toda a estratégia de venda on-line da empresa. Há vídeos, podcasts, reportagens e infográficos associados à operadora-robô, que também circula nas redes sociais. Se o cliente não sabe que tipo de ar-condicionado instalar ou qual notebook atende melhor às suas necessidades, pode tirar suas dúvidas com a Lu.


Lu, a vendedora on-line da Magazine Luiza tira dúvidas e ajuda o usuário no autosserviço
Foto: Reprodução

3. VIDEOCONFERÊNCIA COM OS CLIENTES

Além de uma melhor assistência virtual por operadores-robôs, os consumidores querem falar em tempo real com vendedores, gerentes e, por que não, com os próprios empreendedores. Com a popularização das webcams, não é complicado atender a essa expectativa. Grandes corporações já o fazem. A Amazon lançou um smartphone, o First Phone, com um botão que permite contato direto do cliente com um vendedor, via vídeo. A Fiat brasileira ganhou um Leão de Bronze no Festival de Publicidade de Cannes na categoria inovação com um site em que consumidores podem conversar por vídeo com a equipe de vendas da empresa e explorar as características dos carros por meio de um equipamento preso à cabeça dos vendedores. Agora, é a vez das pequenas e médias empresas lançarem mão desse recurso.

4. REDES SOCIAIS PARA SURPREENDER

De acordo com a Forrester, 80% dos pequenos e médios negócios planejam expandir o uso de mídias sociais. No entanto, nem todos sabem de fato escutar o que os consumidores têm a dizer. Nos Estados Unidos, as empresas respondem, em média, a apenas 30% do feedback dado por clientes em comunidades virtuais; 56% dos tweets de consumidores são ignorados; e menos de 20% dos negócios já integraram as redes sociais com seu serviço de atendimento aos clientes. Quem consegue um bom relacionamento em comunidades como Facebook, Twitter, Google + e Instagram sai na frente. É o caso da Zappos, loja virtual de venda de calçados que ficou famosa pelo bom atendimento aos consumidores. Os vendedores da empresa se voluntariam em comunidades para ajudar os consumidores e escrevem sobre o que estão fazendo a cada momento do dia. Outro exemplo é o da rede americana de restaurantes Mortons, que ganhou pontos na sua imagem quando Peter Shankman, empreendedor e consultor famoso, escreveu no Twitter “Hey @Mortons – você podem me encontrar no Aeroporto Newark com um bife assim que eu pousar em duas horas?” – e um funcionário da empresa estava lá, de fato, com uma refeição completa esperando por Shankman. Um terceiro caso é brasileiro: um consumidor escreveu um tweet direcionado às contas no Twitter da Centauro e da Netshoes, em que dizia que o tênis que queria comprar estava com o mesmo preço nas duas lojas – e  dava um horário de ultimato para que as empresas oferecessem sua melhor proposta; ambas responderam, e chegaram a oferecer descontos de até 25%.

5. ENTREGA FACILITADA

As pessoas só compram on-line se tiverem algum sinal de que receberão o produto rapidamente e em excelente estado – e de que poderão devolvê-lo facilmente caso não fiquem satisfeitas. Há muitas soluções diferentes para atender a essa expectativa. A empresa holandesa JeansOnline, por exemplo, lançou um sistema em que o funcionário de empresa leva a roupa solicitada, espera 15 minutos para que o cliente possa experimentá-la, e leva de volta se a peça não lhe cair bem. No Panamá, a Pizza Hut instalou fornos elétricos para assar pizzas nas motos do serviço de delivery, de forma a reduzir o tempo de entrega e melhorar a qualidade do produto. Empreendedores americanos criaram o aplicativo Shyp: o consumidor manda uma foto do item que quer devolver com o endereço de destino e, em menos de 20 minutos, um funcionário da empresa passa para pegar o produto.

6. CONSUMIDOR NO LUGAR DOS FUNCIONÁRIOS

Uma boa maneira de melhorar os serviços ao consumidor é fazê-lo trabalhar voluntariamente para ajudar a empresa nesse processo. Um exemplo é o da empresa americana de marketing Datacrowd, que criou um aplicativo chamado “Shelfie”. O nome é uma brincadeira inspirada na febre das selfies. O consumidor é convidado a tirar uma foto da prateleira em que esteja faltando o item procurado – a “shelfie” –  e enviá-la para a empresa, em troca de pontos que servem como moeda na compra de produtos. A DataCrowd então manda um alerta para os supermercados parceiros para que a gestão de estoque seja melhorada.

7. MAIS DO QUE PRODUTOS

Uma estratégia em alta é inventar algum serviço que tenha a ver com o perfil e estilo de vida do consumidor. A australiana Safe Mate, marca voltada a surfistas e nadadores, lançou uma pulseira estilosa, que tem um aplicativo embutido com dados médicos dos clientes. Caso aconteça alguma emergência no mar, salva-vidas acessam as informações da pessoa pela pulseira. 



Para o publicitário Celso Loducca, com mais de três décadas de carreira, a atividade se tornará cada vez mais ineficiente se os anunciantes continuarem focados apenas em cortes de custos

comentários

Por trás do cancelamento de patrocínio do nadador farsante, especialistas identificaram um bem articulado plano de marketing. Além da defesa da imagem, as empresas buscaram maximizar a exposição de suas marcas

comentários

Luciana (à esq.) e Paula (à dir.), viram os pedidos da Dona do Doce se multiplicarem da noite para o dia. Só elas desconheciam que a apresentadora Ana Hickman havia postado a guloseima no Instagram

comentários