São Paulo, 28 de Abril de 2017

/ Finanças

Três em cada 10 consumidores fecharam março no vermelho
Imprimir

Daqui para frente, a intenção de redução do gastos afeta compras no supermercado, roupas e lazer, de acordo com a CNDL e SPC Brasil

Uma pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que, em março, três em cada dez consumidores afirmaram que fecharam o mês “no vermelho”, sem condições de pagar todas as contas.

Conforme o levantamento, que analisou a propensão ao consumo em 12 capitais do país, apenas 15% dos entrevistados tiveram sobra de dinheiro no mês passado.

A pesquisa ouviu 800 pessoas com idade igual ou superior a 18 anos, de ambos os sexos e de todas as classes sociais nas capitais dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Salvador, Fortaleza, Brasília, Goiânia, Manaus e Belém. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

De acordo com o levantamento, 46% dos entrevistados disseram ter fechado o mês de março no “zero a zero”, ou seja, sem falta, mas também sem sobra de dinheiro.

Dos 15% que encerraram o terceiro mês de 2017 “no azul”, 12% afirmaram ter a intenção de poupar a sobra e 4% pretendem gastar o dinheiro extra.

O Indicador de Uso de Crédito e de Propensão ao Consumo também mostrou que 63% dos consumidores ouvidos têm planos de cortar os gastos este mês.

A intenção de redução do gastos afeta compras no supermercado, água, luz, telefone, transporte, roupas e lazer. Dos consumidores que pretendem cortar gastos em abril, 23% deram como justificativa a tentativa de fazer economias, 18% apontaram a alta dos preços e 14% porque tiveram redução da renda ou dos ganhos.

Ainda de acordo com o levantamento do SPC Brasil e da CDL, 28% afirmaram que pretendem manter o mesmo nível de gastos em abril, enquanto 7% dos entrevistados manifestaram a intenção de aumentar as despesas.

“Apesar da recuperação gradativa da economia, indicada pela queda da inflação, entre outros fatores, a educação financeira se torna necessária no momento de crise. O consumidor deve evitar os gastos supérfluos e investir na criação de uma reserva até que a economia realmente se recupere”, disse, em nota, o presidente da CNDL, Honório Pinheiro.

CARTÃO DE CRÉDITO

A pesquisa analisou ainda a utilização das principais modalidades de crédito pelos consumidores no mês anterior à pesquisa. Das pessoas ouvidas, 37% disseram ter utilizado algum tipo de crédito em fevereiro, sendo que o cartão foi a modalidade mais utilizada pela maioria (31%, com gasto médio de R$ 902,74).

Em seguida estão o cartão de loja, o crediário (14%, com gasto médio de R$ 354,50) e o cheque especial (7%).

*FOTO: Thinkstock



Lojistas devem captar essas mudanças e se adaptar a elas para conquistar novos mercados nos próximos cinco anos

comentários

Quase a metade das dívidas é de pendências com as instituições bancárias, de acordo com o SPC Brasil e CNDL

comentários

Lojas de departamentos, como a Riachuelo (foto), e comércio eletrônico conquistam a preferência dos brasileiros, que passaram a dar maior importância aos preços, aponta pesquisa

comentários